banco central

Campos Neto vê "notícia ruim" em projeções de inflação

Entre os motivos, está a indefinição sobre a taxa de juros nos Estados Unidos

Roberto Campos Neto, presidente do Banco CentralRoberto Campos Neto, presidente do Banco Central - Foto: Raphael Ribeiro/BCB

As expectativas de inflação têm subido, e isso representa uma notícia ruim para o Banco Central, afirmou nesta sexta (24), o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto. Entre os motivos, ele citou a questão fiscal, a indefinição sobre a taxa de juros nos Estados Unidos (que pode influir no rumo da Selic no País) e ainda a "credibilidade" do próprio BC.

"A gente vê a expectativa de inflação subindo bastante", disse ele, durante seminário promovido pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), no Rio de Janeiro. "Aqui tem sido uma notícia bastante ruim para o Banco Central."

Na sequência, afirmou que existem "vários fatores" para o aumento das projeções de inflação no mercado. "(Tem o) tema de política fiscal (no Brasil), tema externo, junto do tema de credibilidade do BC."

Desde 8 de maio, quando a Selic caiu para 10,5%, as expectativas de inflação para 2024 subiram de 3,73% para 3,8%, enquanto para 2025 foram de 3,64% para 3,74%. Em ambos os casos, as projeções ficaram mais distantes da meta de 3%, o que indica perda de confiança na autoridade monetária.

Reação
Dadas no meio da tarde, as declarações de Campos Neto reforçaram o movimento de alta de juros e câmbio. Depois de passarem a metade do dia em queda, os contratos de juros inverteram o sinal e começaram a subir. Por volta das 17h15, as taxas dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2025 avançavam de 10,390%, na quinta-feira, para 10,405%, enquanto a do DI para janeiro de 2027 subia de 11,080% para 11,135%.

Já o dólar à vista fechou com alta de 0,27%, cotado a R$ 5,1679 - maior valor de fechamento desde 30 de abril (R$ 5,1923). Na semana, a moeda acumulou valorização de 1,29%, reduzindo as perdas no mês para 0,47%. O movimento também refletiu uma postura mais conservadora do mercado, já que será feriado nos EUA na segunda-feira. "Internamente, a agenda não é positiva. As dúvidas sobre a política fiscal cresceram, houve a troca de presidente da Petrobras e aumentou a preocupação com quem será o próximo presidente do Banco Central", afirmou o chefe da mesa de operações do C6 Bank, Felipe Garcia.

"O mercado não aceitou bem a decisão (da última reunião do Copom), não aceitou bem a comunicação, e isso tem piorado a nossa curva de juro", acrescentou o diretor da Wagner Investimentos, José Raymundo Faria Júnior.

Na última decisão, o comitê diminuiu a taxa Selic em 0,25 ponto porcentual, de 10,75% para 10,5%, por cinco votos a quatro - neste caso, todos de diretores indicados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva; eles defenderam corte de 0,5 ponto. Como os mandatos de Campos Neto e de outros dois diretores indicados em governos anteriores terminam no fim deste ano, Lula nomeará mais três membros para o Copom em 2025.
 

    

Veja também

Aneel recebe 1,9 mil pedidos de usinas interessadas em benefícios com MP de ajuste de prazo
FONTES RENOVÁVEIS

Aneel recebe 1,9 mil pedidos de usinas interessadas em benefícios com MP de ajuste de prazo

Favaro: Compromisso de mais recursos com juros compatíveis está mantido por Haddad
PLANO SAFRA

Favaro: Compromisso de mais recursos com juros compatíveis está mantido por Haddad

Newsletter