Ceia de Natal mais cara do que em 2017

Segundo a FGV, itens que compõem a mesa superaram a inflação geral de janeiro a dezembro que foi de 4,09%

Ceia de NatalCeia de Natal - Foto: Alfeu Tavares/Arquivo Folha

A ceia do Natal este ano está mais cara do que a do ano passado. Segundo levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas, os itens que compõem a mesa natalina superaram a inflação geral de janeiro a dezembro, que foi de 4,09%, acumulando uma alta de 6,82%. Segundo o instituto, entre as justificativas para essa alta tão expressiva, ainda mais com uma economia em lenta recuperação, está a desvalorização da moeda brasileira em relação ao dólar, que além do contexto político brasileiro, ainda tem sua valorização pressionada pela instabilidade internacional. O resultado disso tudo, reflete na ceia dos brasileiros. Afinal, entre os itens que puxaram para cima a inflação, estão a farinha de trigo (+19,65%), bacalhau (+18,55%) e frango (+8,20%).

De acordo com o economista da FVG, André Braz, em 2017, a situação estava mais favorável para os alimentos, que tiveram uma expressiva queda. Já na ceia deste ano, os itens mais procurados são os que sofrem direta ou indiretamente influencia do câmbio. Os importados, como o bacalhau e o trigo, a influência é direta. No caso do aumento das aves, vale lembrar que o alimento delas, o milho, por ser um commodities agrícola, acaba encarecendo o valor da ave que sempre foi uma alternativa às carnes típicas do Natal, que são geralmente mais caras.

Leia também:
Confira o que abre e o que fecha no feriadão do Natal
Alta no preço da batata e cebola pode deixar a ceia de Natal mais cara
Vendas no varejo devem aumentar 3,1% no Natal, diz confederação

O vice-presidente da Associação Avícola de Pernambuco (Avipe), Edival Veras, comenta que além da questão cambio dos insumos essenciais para alimentar as aves, como o milho e a soja, que representam 70% do custo da produção, o período de entressafra desses commodities, que ocorre justamente no mês de dezembro, são fatores determinantes para o aumento do preço das aves. “Para se ter noção, o ano passado, o preço médio do quilo do milho era de R$35. Hoje, compramos por R$44. Já o farelo de soja, que comprávamos por R$1.400, está sendo vendido por R$1.600”, explica Veras, que completa dizendo que por conta desses fatores, fechará 2018 com uma queda de 1,8% na produção.

E diante do aumento do preço da ceia, muita gente ainda prefere segurar as compras e deixar a ação para as últimas horas. É o caso da dona de casa, Rose Dias Correia, 54 anos. Embora ela ainda não tenha comprado os itens necessários para fazer a ceia para os quatro integrantes da família, vem pesquisando bastante e com o comportamento dos preços, estima gastar R$400 com as compras. O valor é, de acordo com ela, é R$100 a mais do que o ano passado. "Os preços subiram. Já olhei que o queijo do reino, que no ano passado eu comprei por R$ 35, R$ 40, agora está na média entre R$ 40 a R$ 45. Isso já é mais caro. Um tender que no ano passado comprei por R$16, agora o mais barato que encontrei é na faixa dos R$ 26. E por aí vai", revela a dona de casa.

Já a funcionária pública, Benise Barros, 57, não perdeu tempo e já comprou todos os produtos da sua ceia, que, diferente de Rose, é composta em grande parte de itens vegetarianos. “Gastei R$300, mas não porque as coisas estão mais baratas, mas porque como estou com menos dinheiro e priorizei um gasto maior nas lembrancinhas”, revela a funcionária pública.

Veja também

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 2,5 milhões
Loteria

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 2,5 milhões

Senado aprova texto-base de MP que aumenta tributação sobre bancos até o fim do ano
Tributação

Senado aprova texto-base de MP que aumenta tributação sobre bancos até o fim do ano