Cenário econômico pede juros baixos, diz presidente do BC

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária do Banco Central reduziu a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, deixando a Selic em 6% ao ano

Presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos NetoPresidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse hoje (8) que a situação econômica do Brasil pede a manutenção dos juros em um patamar baixo. “Nós achamos que a conjuntura econômica prescreve uma política monetária estimulativa. Ou seja, um juros a baixa taxa estrutural. A evolução do cenário básico e balanço de riscos prescreve um ajuste no estímulo monetário”, ressaltou ao participar do 2º Macro Day, evento promovido pelo Banco BTG Pactual.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária do Banco Central reduziu a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, deixando a Selic em 6% ao ano. Novos cortes nos juros vão depender, segundo Campos Neto, da evolução do cenário econômico e dos riscos de crescimento da inflação. “Os próximos da política monetária continuarão dependendo da atividade, do balanço de riscos e das expectativas de inflação”. O presidente diz acreditar na "consolidação de cenário benigno da inflação permitindo ajuste adicional em grau de estímulo”.

Leia também:
BC está tranquilo para atravessar período mais conturbado no exterior
Governo diz ao mercado para não usar cadastro positivo sem resolução do BC
Banco Central indica novo corte na taxa Selic

Crescimento
Campos Neto atribuiu o baixo ritmo de crescimento a uma retração mundial nos investimentos, influenciada pela desconfiança no desempenho das economias. “Tem um componente global acontecendo nesse sentido que é a queda de investimento. Parte disso está ligado a questão comercial, parte a perspectiva de crescimento. É um investimento que vem de uma forma geral pelo canal credibilidade”.

O presidente do BC destacou que a frustração nas expectativas de crescimento econômico aconteceram em grande parte pelos países emergentes que, assim como o Brasil, reduziram as perspectivas de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) - soma de todos os bens e serviços produzidos no país. “O que o Brasil revisou para baixo de crescimento foi o mesmo que o Chile, a Colômbia e o Peru. Na média, está todo mundo entre 0,7% e 0,8%”.

Como fator positivo, Campos Neto, apontou para o fato de que a maior parte dos países estão com taxas básicas de juros estimulando a circulação dos recursos. “Países que fizeram mais ou menos o dever de casa estão com os juros baixos não tem um apelo inflacionário grande. Nisso, os mercados emergentes são favorecidos pelo fluxo”. Porém, mesmo com as condições favoráveis, o presidente do BC acredita que há uma seletividade maior na aplicação desse dinheiro por parte dos investidores.

Veja também

Mais 1,1 milhão saem em busca de vaga e taxa de desemprego dispara
Empregos

Mais 1,1 milhão saem em busca de vaga e taxa de desemprego dispara

IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
Desemprego

IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto