Cenário externo afeta Bolsa, que fecha abaixo dos 100 mil pontos

No Brasil, o cenário político deu alento a Bolsa durante a maior parte do dia

ReaisReais - Foto: Marcello Casal/Agencia Brasil

O cenário externo azedou o desempenho do mercado financeiro internacional nesta terça-feira (8), afetando também a Bolsa brasileira, cujo principal índice, o Ibovespa, fechou em queda de 0,59%, a 99.981 pontos, com giro financeiro de R$ 14,352 bilhões.

Desde 4 de setembro sem fechar abaixo dos 100 mil pontos, o índice começou operando em alta e se manteve assim boa parte do dia. Por volta das 15h, no entanto, o mercado brasileiro passou a operar no vermelho, se comportando como a maioria das Bolsas europeias e americanas.

O mau humor lá fora ocorreu em parte devido a nova tensão na disputa comercial entre China e Estados Unidos. Na segunda-feira (7), o secretário do comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, anunciou a inclusão de 28 empresas chineses à "lista suja" americana.

Leia também:
BB desembolsa R$ 538,7 milhões em crédito para pessoas com deficiência
Presidente da Caixa defende manutenção do banco como gestor do FGTS
Inflação medida pelo IGP-DI sobe para 0,50% em setembro 

Empresas que ficam sob essa condição têm dificuldades em negociar com fornecedores americanos, uma vez que é exigido uma licença especial para a realização do comércio. A medida gerou uma escalada nas tensões com os chineses, apenas três dias antes da nova rodada de negociações, que deve iniciar na quinta-feira (10).

O dia também foi agitado pela fala do presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central americano), Jerome Powell, que sinalizou uma abertura para novos cortes de juros em meio aos riscos econômicos globais. Powell também afirmou que está chegando o momento de permitir que a carteira de ativos do Fed volte a se expandir.

Com esse cenário as Bolsas americanas operaram o dia todo no vermelho e fecharam o dia em queda. Os três principais índices S&P 500, Nasdaq e Dow Jones recuaram 1,56%, 1,67% e 1,19%, respectivamente.

Na Europa, a situação não foi diferente. As declarações emitidas pelo Reino Unido e pela União Europeia mostrou que as duas partes concordam que não haverá acordo sobre o brexit.

Uma fonte do governo britânico, ouvida pela agência de notícias AFP, afirmou que a chanceler alemã, Angela Merkel, advertiu o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, de que um pacto para a saída do Reino Unido do bloco europeu é "extremamente improvável", a menos que Londres aceite manter a Irlanda do Norte em uma união alfandegária com a União Europeia.

Para Londres, no entanto, a exigência faz com que um acordo seja "essencialmente impossível", indicou a fonte, destacando que Boris afirmou a Merkel ter apresentado uma proposta razoável. Nesse impasse, as bolsas europeias também encerraram o dia em queda, com o índice Dax (Alemanha) perdendo 1,05%, o CAC (França), 1,18%, e o britânico UKX, 0,76%.

No Brasil, o cenário político deu alento a Bolsa durante a maior parte do dia, com encaminhamento da discussão da cessão onerosa e com a definição da data de votação do segundo turno da reforma da Previdência, na semana do dia 22 de outubro.

O bom humor local, porém, não foi suficiente para segurar o pessimismo global. Mesmo assim, o real se manteve valorizado frente ao dólar, que fechou em queda de 0,33%, cotado a R$ 4,0910. Outras moedas emergentes também ficaram em alta frente ao dólar, como o Peso argentino, Won sul-coreano e Baht tailandês.

Veja também

União Europeia quer que Mercosul assine compromisso com metas ambientais
economia

União Europeia quer que Mercosul assine compromisso com metas ambientais

Embaixador do Brasil nos EUA diz que decisão sobre 5G só sairá ano que vem
economia

Embaixador do Brasil nos EUA diz que decisão sobre 5G só sairá ano que vem