NEGÓCIOS

CEO do Uber quer baratear app e criar serviço local de entregas que concorra com Amazon

No SXSW, Dara Khosrowshahi disse anda que pretende ampliar oferta de modalidades de transporte, incluindo o Uber Bus, e que entregas locais permitiriam comerciantes "irem além da Amazon"

UberUber - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Com mais concorrentes no mercado, o Uber quer ampliar a oferta de serviços de entrega e as modalidades de transporte que opera, afirmou Dara Khosrowshahi, CEO global da empresa, nesta segunda-feira. No South by Southwest, festival que acontece em Austin, no Texas, o executivo explicou que pretende ampliar possibilidades de entregas locais e citou a oferta de mais opções de veículos, como scooters e ônibus. O objetivo, segundo ele, é chegar a mais consumidores além da "classe média e alta".

Segundo Khosrowshahi, o objetivo é que o Uber vá além da alimentação para entregar "qualquer coisa" e permitir que comerciantes locais possam "ir além da Amazon". A ampliação da vertente de entrega envolve o investimento em sistema de infraestrutura local para o serviço sob demanda. Segundo ele, a oferta tem como foco primeiro restaurantes e cadeias de mercados. O objetivo, depois, é chegar "a qualquer comerciante" e em "qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo":

— Nosso objetivo principal é estabelecer uma infraestrutura logística local e sob demanda, acessível a todos. Desejamos facilitar não apenas o deslocamento de pessoas de um ponto a outro, mas também permitir o envio de pacotes entre indivíduos e oferecer às empresas a capacidade de operar de maneira semelhante ao da Amazon, mas com um foco local. A ideia é apoiar o comércio local, permitindo que eles entreguem pacotes facilmente.

No relatório financeiro do último trimestre de 2023, a empresa destaca avanços que tem feito nesse segmento, incluindo uma parceria com a Cornershop e varejistas americanos. No Brasil, o Uber opera com possibilidade de entregas de pacotes entre usuários. O Uber Eats, de eque parou de operar no país em 2022.

Transporte de Uber com ônibus
Para baratear os serviços disponíveis no app de transporte, o executivo prometeu ampliar a oferta de descontos na categoria de compartilhamento e destacou que é preciso "insistir nisso", mesmo diante da resistência de consumidores para a modalidade. No radar da empresa, segundo ele, está também a oferta de mais modelos de veículos ofertados na ferramenta.

Khosrowshahi citou a oferta de scooters elétricas, mais populares no mercado europeu e americano, como um exemplo de opção mais barata que os carros. Para países emergentes, ele afirmou que o Uber pretende ampliar o serviço para veículos de transporte coletivo, "com capacidade para 14, 20 pessoas". O serviço, chamado de Uber Bus, está disponível em alguns países como Egito e México. A empresa também opera em alguns mercados com o Uber Shuttle, voltado para o transporte coletivo de funcionários.

— Neste momento, o Uber é um tipo de produto voltado para a classe média ou classe média alta. Nós precisamos torná-lo mais acessível para os consumidores. Há duas formas de fazermos isso. A primeira é ampliar os formatos dos veículos, com opções mais acessíveis que um carro, e a segunda é promover o compartilhamento de veículos. — afirmou o executivo, no SXSW.

Carros autônomos e trabalhadores de apps
No comando do aplicativo desde 2017, o americano de origem iraniana assumiu a empresa em um momento em que o o Uber lidava com uma série de controvérsias - de denúncias de uma cultura de assédio sexual a disputa legais em vários dos mercados em que atuava, com o escrutínio de reguladores. Desde então, o executivo tem trabalhado para melhorar a imagem da empresa, com destaque para programas de segurança para motoristas e metas de sustentabilidade.

No South by Southwest, Dara participou de mesa com o prefeito de Austin, Kirk Watson, em um formato de entrevista mútua. Na conversa, os dois trataram também dos desafios da implementação de carros autônomos para cidades e para empresas operadoras de tecnologia. A modalidade do serviço já é oferecida pelo Uber em algumas cidades americanas, em parceria com o app de mobilidade com a Waymo.

Durante uma hora de conversa, o executivo tratou também de temas como inovações de segurança para motoristas, e incentivo a eletrificação de veículos, mas não mencionou em nenhum momento regulação do trabalho por plataformas, debate que acontece no Brasil e outros mercados da empresa. O GLOBO enviou uma pergunta sobre o tema para os moderadores do evento, em trecho da conversa aberta para questões do público, mas ela foi ignorada.

Veja também

Nvidia se torna empresa mais valiosa da bolsa do mundo
Tecnologia

Nvidia se torna empresa mais valiosa da bolsa do mundo

Jaques Wagner: primeira impressão é de que itens apresentados pelo Senado não chegam a R$ 17 bi
desoneração

Jaques Wagner: primeira impressão é de que itens apresentados pelo Senado não chegam a R$ 17 bi

Newsletter