Cepal projeta desaceleração da economia na América Latina

O desempenho é atribuído aos efeitos de um enfraquecimento sincronizado da economia global

O desempenho é atribuído aos efeitos de um enfraquecimento sincronizado da economia globalO desempenho é atribuído aos efeitos de um enfraquecimento sincronizado da economia global - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) prevê desaceleração da economia na maioria dos países da região. Segundo estudo anual divulgado nesta quarta-feira (31), devido ao fraco desempenho em investimentos, exportações e consumo interno, a projeção de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) na região é 0,5% para 2019, valor inferior a 0,9% observado em 2018.

“Esse desempenho é atribuído aos efeitos de um enfraquecimento sincronizado da economia global, que tem implicado em um cenário internacional desfavorável para a região. No âmbito interno, o baixo crescimento é devido ao pouco dinamismo apresentado pelo investimento, pelas exportações e por uma queda do gasto público e do consumo privado", diz o estudo.

Segundo a Cepal, diferentemente de anos anteriores, em 2019 a desaceleração será generalizada e afetará 21 dos 33 países da América Latina e do Caribe. Em média, a América do Sul deverá crescer 0,2%, a América Central 2,9% e o Caribe 2,1%. Para ao Brasil, a previsão de crescimento do PIB é 0,8%. Em 2018, a economia brasileira cresceu 1,1%.

Leia também:
EUA têm interesse em livre comércio com o Brasil, diz Wilbur Ross
Brasil pode liderar produção global de petróleo em 10 anos, diz ANP
Interferência no Coaf pode dificultar entrada do Brasil na OCDE, diz embaixador 

Na avaliação da Cepal, é necessário expandir o espaço de políticas para enfrentar a desaceleração e contribuir para o crescimento econômico, com medidas tanto na área fiscal, como na monetária e relacionadas com o investimento e a produtividade, nos países da América Latina.

Veja também

Violência contra a mulher também é um problema econômico, diz presidente da Avon
Avon

Violência contra a mulher também é problema econômico, diz presidente

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção
servidores

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção