Cesta básica sofre um aumento de 8,33% em maio na RMR

O produto que sofreu o maior aumento foi a cebola. O quilo passou de R$1,89, para R$5,85, um aumento de 209,52%

Fiscalização do Procon-PEFiscalização do Procon-PE - Foto: Divulgação / Procon-PE

Pesquisa realizada mensalmente pelo Procon-PE aponta um aumento de 8,33% no valor da cesta básica na Região Metropolitana do Recife (RMR) no mês de maio. A cesta passou de R$412,46 para R$446,80, um impacto de 42,76% no salário mínimo. Antes, o percentual era de 39,47%. O levantamento foi realizado entre os dias 30 de abril e 4 de maio, em 13 estabelecimentos da RMR. O órgão também fiscaliza possíveis superfaturamentos de produtos nos estabelecimentos.

O produto que sofreu o maior aumento foi a cebola. O quilo passou de R$1,89, para R$5,85, um aumento de 209,52%. Dos 27 produtos analisados, dois mantiveram o valor, três reduziram e todo o resto subiu de preço. Dentre os produtos que sofreram aumento, se destacam, além da cebola, a batata inglesa (38,56%), a charque de segunda (33,67%), a água sanitária (43,30%) e o absorvente higiênico (32,59%).

Leia também:
Fernando de Noronha distribui cestas básicas para moradores do Recife
Não há motivos para Procon ter tabelado preço máximo do gás, diz ANP

O Procon-PE sugere que, além do aumento, o melhor ainda é realizar uma pesquisa de preço. O quilo da salsicha avulsa pode ser encontrado por R$4,99 e por R$14,29, uma diferença percentual de 186,37%. Já o frango inteiro, a diferença é de R$101,62%, de um supermercado para outro. O quilo do frango é oferecido entre os preços de R$4,95 e R$9,98. Já o pacote de papel higiênico, com quatro unidades, pode ser encontrado por R$1,99 e R$6,59, uma diferença de 231,16%.

“Sinto que a feira fica cada vez mais cara. Normalmente me chama atenção o aumento no feijão, tomate e cebola”. Edileuza Amara é auxiliar de serviços gerais e vai às compras quinzenalmente no bairro de Jardim Piedade, Jaboatão dos Guararapes. “Acho que a tendência é aumentar, isso me preocupa porque tem muita gente passando necessidade, passando fome”, avalia.

Os valores podem variar a depender do estabelecimento. A pesquisa toma como base a cesta básica mensal para uma família composta por quatro pessoas, sendo dois adultos e duas crianças.

Além da pesquisa, fiscalizações estão sendo realizadas, a partir de denúncias e análise de notas fiscais com o objetivo de verificar valores abusivos nos produtos alimentícios. “Estamos intensificando as fiscalizações aos supermercados para garantir que o consumidor não seja lesado. Não iremos admitir superfaturando, especialmente em produtos que integrem a cesta básica e que atende aos mais vulneráveis” explica o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico.

Na última terça-feira (5), o Supermercado Big Bompreço, localizado no bairro de Boa Viagem, zona sul do Recife, foi denunciado pelo alto valor cobrado na bandeja de ovos caipira. Fiscais do Procon-PE foram até o local e conseguiram reduzir o valor, passando de R$43,99, para R$31,99 (mesmo preço cobrado nas outras unidades da rede). Denúncias podem ser feitas pelo 0800-282-1512, pelo WhatsApp (81) 3181-7000, ou pelo [email protected]

Veja também

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo
Consumo

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo

Burocracia freia os negócios
Burocracia

Burocracia freia os negócios