ECONOMIA

Cesta Básica tem crescimento de 27,31% em um ano na RMR

Foto: Divulgação/ Procon-PE

Apesar das dificuldades financeiras que muitos pernambucanos estão enfrentando devido à pandemia da Covid-19, os preços dos alimentos que compõem a Cesta Básica continuam a crescer no Estado. No período de um ano, houve um crescimento de 27,31% na Região Metropolitana do Recife (RMR), de acordo com a pesquisa de preços realizada pelo Procon Pernambuco. Em março de 2020, a Cesta Básica custava R$412,46, já em abril deste ano, o valor passou para R$525,09, uma diferença de R$112,63.

A pesquisa analisou os 27 produtos da Cesta Básica. Dos itens pesquisados, 22 tiveram aumento no preço, com destaque para o quilo da cebola, com 110,58%; o óleo de soja, com 79,69% e a charque de segunda, com 77,46%. Os setores de higiene pessoal e limpeza doméstica também apresentaram crescimento, mesmo em um período em que a higienização de forma correta é um dos meios de evitar a contaminação com a Covid-19. A água sanitária apresentou 22,68% de aumento, seguida do sabonete, com um crescimento de 27,12% no preço.

“Percebemos um aumento considerável em todos os itens esse mês, de 27 itens, 22 subiram de preço. Os itens tiveram um crescimento significativo de mais de R$100,00 e o salário mínimo não acompanhou esse aumento, com reajuste este ano de R$55,00. Isso impacta diretamente no núcleo familiar, porque as pessoas perdem poder de compra e vira um prejuízo para o consumidor”, explica o gerente de atendimento do Procon-PE, Pedro Cavalcanti.

O órgão também realizou a pesquisa nos municípios pernambucanos de Goiana, Vitória de Santo Antão e Caruaru. O município de Vitória de Santo Antão é o que tem a menor Cesta Básica. Em abril, a cesta sai por R$471,28. Já Caruaru apresentou o maior aumento de preço em um ano, passando de R$395,25 para R$508,51, uma diferença de 28,66%, ultrapassando o crescimento da Região Metropolitana do Recife.

No mês de abril, na RMR, dos 27 produtos pesquisados, 13 subiram de valor. A bandeja de ovos subiu de R$9,99 para R$13,99, um aumento de 40,04% e o quilo do alho passou de R$13,90 para R$18,58, um aumento de 33,67%.

A pesquisa do Procon Pernambuco passou por 22 estabelecimentos da RMR, nos municípios de Recife, Olinda, Paulista, Camaragibe, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca. Desses, dois supermercados funcionam dentro da Ceasa.

“É importante que o consumidor realize pesquisas de preço, tente não fazer feiras semanais, para poder evitar o excesso de deslocamento, focando em feiras mensais, fazendo uma previsão para o mês todo desse custo básico de alimentação. Além disso, o consumidor deve fazer as compras em mercados alternados, para analisar os valores mais em conta”, complementa Pedro Cavalcanti.  

Para acessar a pesquisa completa de preços da Cesta Básica no mês de abril, com alguns supermercados do Estado e o comparativo de preços com o ano passado, o consumidor deve acessar o site do Procon Pernambuco: www.procon.pe.gov.br. O órgão também disponibiliza canais de atendimento, através dos números: 0800.282.1512 e (81) 3181-7000 (WhatsApp). 

Veja também

Inflação para idosos acumula taxa de 6,20% em 12 meses
Economia

Inflação para idosos acumula taxa de 6,20% em 12 meses

Olinda abre seleção com 198 vagas para técnicos e professores. Salários vão até R$ 2,5 mil
Blog dos Concursos

Olinda abre seleção com 198 vagas para técnicos e professores