Mercosul

Chanceler uruguaio renuncia em reunião do Mercosul

A saída de Talvi significa um desgaste na base de apoio de Lacalle Pou

Lacalle Pou é do Partido Nacional, de centro-direitaLacalle Pou é do Partido Nacional, de centro-direita - Foto: MARIANA GREIF

Durante a primeira reunião do Mercosul realizada de modo virtual, o chanceler uruguaio, Ernesto Talvi, anunciou nesta quarta-feira (1º) que deixará o cargo na semana que vem.

Do Partido Colorado, Talvi disputou a presidência com Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional (blanco), e ficou em terceiro lugar no primeiro turno. No segundo, para conseguir os apoios necessários e vencer o candidato da Frente Ampla, Daniel Martínez, Lacalle Pou armou uma coalizão com partidos opositores, incluindo o Colorado, formando a chamada "coalizão multicolor".

A saída de Talvi significa um desgaste na base de apoio de Lacalle Pou e provocou surpresa ao ser anunciada na reunião do Mercosul –ainda mais porque, na cerimônia desta quinta-feira (2), a presidência pro-tempore do bloco passará do Paraguai para o Uruguai. Um dos destaques da reunião, ainda que ocorra por videoconferência, é que será a primeira ocasião em que os presidentes da Argentina, Alberto Fernández, e do Brasil, Jair Bolsonaro, estarão no mesmo fórum.



A última reunião do Mercosul havia ocorrido em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, cinco dias antes do fim do mandato de Mauricio Macri. No lugar de Talvi, o novo chanceler uruguaio será Francisco Bustillo, atual embaixador do país na Espanha.

Talvi vinha tendo problemas com Lacalle Pou havia alguns meses. Em sua carta de demissão, o chanceler disse que "foi um privilégio servir os cidadãos uruguaios e a chancelaria, não é minha intenção ser um obstáculo no desejo do presidente de nomear outro chanceler".

Veja também

Guedes anuncia debandada e saída de dois secretários especiais da Economia
brasil

Guedes anuncia debandada e saída de dois secretários especiais da Economia

Bolsonaro assina projeto de lei para estimular navegação de cabotagem no Brasil
governo

Bolsonaro assina projeto de lei para estimular navegação de cabotagem no Brasil