Chile recua e restringe veto à carne brasileira às 21 fábricas suspensas

A mudança de postura se deve aos documentos recebidos em resposta aos questionamentos do Serviço Agrícola e Pecuário do Chile ao Ministério da Agricultura brasileiro

Órgão do Governo chileno aceitou os argumentos do Brasil sobre a qualidade das carnesÓrgão do Governo chileno aceitou os argumentos do Brasil sobre a qualidade das carnes - Foto: Marcos Corrêa / PR

O governo do Chile reviu sua decisão de suspender temporariamente a importação de "todo tipo de carne brasileira" (bovina, frango e porco) devido ao escândalo revelado pela Operação Carne Fraca. Agora, o veto será restrito somente aos 21 estabelecimentos que tiveram a licença de exportação suspensa pelo governo brasileiro.

Conforme o comunicado divulgado neste sábado pelo SAG (Serviço Agrícola e Pecuário do Chile), a restrição será estendida preventivamente a qualquer outro frigorífico que estiver envolvido em irregularidades durante as investigação em curso pelas autoridades brasileiras.

Ainda segundo a nota, a mudança de postura se deve aos documentos recebidos em resposta aos questionamentos do SAG ao Ministério da Agricultura brasileiro. O fim do embargo a toda a carne brasileira foi ratificado também pela delegação chilena enviada ao Brasil para obter mais detalhes sobre a Operação Carne Fraca.

"O SAG, junto ao Ministério da Saúde chileno, continuam reforçando as medidas de vigilância e fiscalização, tanto na fronteira para o ingresso de produtos pecuários, como nos pontos de comercialização, com o objetivo de garantir a saúde e a segurança dos alimentos consumidos no país", diz o comunicado.

Veja também

Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
REAÇÃO

Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central

Bolsas mundiais estão em plena forma, apesar da crise sanitária
ECONOMIA

Bolsas mundiais estão em plena forma, apesar da crise sanitária