Cinco estados respondem por 64,9% da economia nacional

Em termos de crescimento, os maiores avanços ficaram com as pequenas economias regionais.

Ambulante exibia cartaz com nome de Haddad com número adulteradoAmbulante exibia cartaz com nome de Haddad com número adulterado - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Cinco estados brasileiros responderam juntos por quase dois terços do Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2014. As economias de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais, do Rio Grande do Sul e Paraná representaram 64,9% do PIB nacional naquele ano, segundo dados das Contas Regionais divulgados nesta segunda-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

São Paulo continua sendo o principal motor da economia brasileira, respondendo por quase um terço do PIB do país (32,2%). O Rio de Janeiro, segunda maior força econômica do país, respondeu por 11,6%.

Minas Gerais permanece na terceira colocação (com 8,9% do PIB nacional). Em relação a 2013, a única troca de posição entre os 10 maiores estados ocorreu entre o Rio Grande do Sul e o Paraná. Os gaúchos passaram os paranaenses e ocupam a quarta posição, respondendo por 6,2%. Já o Paraná, na quinta posição, responde por 6% da economia nacional.

Crescimento

Em termos de crescimento, no entanto, os maiores avanços ficaram com as pequenas economias regionais. Tocantins teve a maior alta entre 2013 e 2014 (6,2%), seguido pelo Piauí (5,3%), por Alagoas (4,8%), pelo Acre (4,4%) e por Mato Grosso (4,4%). Desses cinco estados, quatro estão entre as 10 menores economias do país.

Em sentido oposto, grandes economias tiveram quedas devido ao comportamento da indústria da transformação: São Paulo (-1,4%), Minas Gerais (-0,7%), Rio Grande do Sul (-0,3%) e Paraná (-1,5%).

Veja também

Caixa credita saque emergencial do FGTS para nascidos em março
FGTS

Caixa credita saque emergencial do FGTS para nascidos em março

Mercado financeiro projeta queda de 6,1% na economia neste ano
Economia

Mercado financeiro projeta queda de 6,1% na economia neste ano