Economia

Clima econômico na América Latina recua para 69 pontos, aponta indicador da FGV

Recuo do indicador está relacionado a uma piora no clima econômico nas três principais economias da região: Brasil, México e Argentina

DinheiroDinheiro - Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas

Influenciado pelo comportamento da economia do Brasil, México e Argentina, o indicador Ifo/FGV de Clima Econômico da América Latina (ICE) recuou de 70 para 69 pontos entre outubro do ano passado e janeiro deste ano, mantendo a trajetória de queda iniciada em julho de 2016.

O indicador é elaborado pelo instituto alemão Ifo e a Fundação Getulio Vargas, com base nos dados do Ifo World Economic Survey (WES). O resultado do indicador foi divulgado nesta terça (14) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV).

"O resultado reflete a combinação do aumento de 5 pontos no Indicador da Situação Atual (ISA) e queda de 11 pontos do Indicador de Expectativas (IE). Ressalve-se se que o ISA (36 pontos) mantém-se muito distante da média histórica dos últimos 10 anos (89 pontos) e numa zona onde predominam avaliações desfavoráveis. Já o IE recuou 11 pontos, para (111 pontos), mantendo-se numa zona favorável e acima da média histórica (98 pontos)", informou a fundação.

Três principais economias

O recuo do indicador está relacionado a uma piora no clima econômico nas três principais economias da região: Brasil, México e Argentina.

No caso do Brasil, houve queda de 4 pontos. México apresentou recuo de 5 pontos e Argentina, 8 pontos.

Em relação à avaliação da situação atual, medida pelo ISA, houve queda de 6 pontos na Argentina. México e Brasil tiveram melhora, de 13 pontos e 4 pontos. "Nos três países, no entanto, os indicadores mantiveram-se abaixo da média histórica e na região desfavorável do ciclo", informou relatório da FGV.

Nos três países, o indicador de expectativas (IE) apresentou queda: Argentina (-9 pontos), Brasil (-21 pontos) e México (-24 pontos). "Neste último [México], a eleição de Trump ajuda a explicar a deterioração das expectativas de curto e médio prazo. No Brasil e na Argentina, os indicadores de expectativas continuaram acima da média histórica, o que não ocorre no México. A piora nas expectativas pode estar refletindo uma calibragem do cenário muito otimista que se seguiu à mudança de governos tanto na Argentina como no Brasil”, diz o relatório.

A Venezuela permanece com o pior ICE. Já Peru, Paraguai e o Uruguai apresentaram melhora.

Indicador Econômico Mundial

Enquanto na América latina o clima é de pessimismo, o indicador do Clima Econômico Mundial manteve, entre outubro do ano passado e janeiro deste ano, trajetória ascendente, ao aumentar 5 pontos e está em uma "zona favorável do ciclo econômico".

"O resultado [do ICE Mundial] é explicado pela melhora de 6 pontos na avaliação da situação atual, com as expectativas do indicador mantendo-se estáveis. Segundo o levantamento que está sendo divulgado nesta terça-feira, nos países desenvolvidos foi registrada melhora no clima econômico, com alta de 5 pontos nos EUA; de 9 pontos na União Europeia e 17 pontos no Japão, em ambos os casos influenciados pelo aumento no indicador da avaliação atual e das expectativas para 2017".

Veja também

ANP aprova prorrogação contratual de produção de campos petrolíferos
Petróleo

ANP aprova prorrogação contratual de produção de petrolíferos

Fila para perícia no INSS já passa de 1,09 milhão; médicos voltam ao trabalho na segunda (23)
Perícia médica

Fila para perícia no INSS já passa de 1,09 milhão; médicos voltam ao trabalho na segunda (23)