DESENVOLVIMENTO

CMN corta juros de fundos regionais

Para os fundos de desenvolvimento, os juros, que hoje variam de 9% a 11% ao ano, cairão para uma faixa entre 7,85% a 9,1% ao ano

Lessa enumerou as ações promovidas pelo Governo de Pernambuco nas gestões de Eduardo Campos e Paulo CâmaraLessa enumerou as ações promovidas pelo Governo de Pernambuco nas gestões de Eduardo Campos e Paulo Câmara - Foto: Divulgação

 

A redução da taxa Selic levou o Conselho Monetário Nacional (CMN) a diminuir os juros dos fundos constitucionais e de desenvolvimento regional. A redução ficará, em média, em 18% para os fundos de desenvolvimento e em 9% para os fundos constitucionais.
As novas taxas vigorarão de janeiro a março. Para os fundos de desenvolvimento, os juros, que hoje variam de 9% a 11% ao ano, cairão para uma faixa entre 7,85% a 9,1% ao ano, dependendo do tipo de fundo e do grau de prioridade do projeto financiado.
Para os constitucionais, as taxas, que estão entre 10% a 18,24% ao ano, dependendo da renda do mutuário e do tipo de atividade incentivada, ficarão entre 9% e 17,65% ao ano para o Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) e entre 8,10% e 15,90% ao ano para os Fundos Constitucionais do Nordeste (FNE) e do Norte (FNO).
De acordo com o Ministério da Fazenda, as reduções se deveram à expectativa do mercado de redução da taxa Selic no próximo ano. Atualmente em 13,75% ao ano, a Selic deve encerrar 2017 em 10,50% ao ano.

No caso dos fundos constitucionais, explicou a pasta, uma mudança na legislação levou a reduções maiores no FNE e no FNO. Uma lei sancionada em setembro estabeleceu que os fundos das regiões menos desenvolvidas devem ter juros menores.

 

Veja também

Parceria entre Suape e UFRPE cria o Esus, Campus Avançado dentro do complexo
Sustentabilidade

Parceria entre Suape e UFRPE cria o Esus, Campus Avançado dentro do complexo

Hidrelétrica de Santo Antônio precisa de aporte e pode se tornar controlada da Eletrobras
Energia

Hidrelétrica de Santo Antônio precisa de aporte e pode se tornar controlada da Eletrobras