PIS/Cofins

CNI fala em motivação e "expectativa de solução racional" com avanço em entendimentos em MP

Segundo a entidade, já foram feitas algumas reuniões envolvendo o governo e os diversos setores produtivos para "melhor compreensão" dos efeitos da MP

O presidente da CNI, Ricardo AlbanO presidente da CNI, Ricardo Alban - Foto: Reprodução

Depois de o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Ricardo Alban, divulgar uma nota dura e interromper viagem à China com o governo para tentar reverter a medida provisória do crédito de PIS/Cofins, a entidade publicou nesta segunda-feira, 10, um novo comunicado sobre o assunto em tom mais apaziguador.

A CNI afirma que, desde a última sexta-feira, 7, tem avançado em diversos entendimentos sobre a proposta, que deixaram a entidade "motivada e na expectativa de encontrar uma solução racional e pró atividade econômica".

A confederação também prevê uma reunião nesta terça-feira, 11, em Brasília com diversos representantes dos setores produtivos para debater o assunto.

"Em seguida, faremos um bom e construtivo diálogo com o Senado Federal e com a Câmara dos Deputados. Simplesmente queremos o melhor para o nosso Brasil. E o melhor para o Brasil é o crescimento das atividades produtivas de forma sustentável e sinérgica com toda a sociedade", diz a CNI.

Segundo a entidade, já foram feitas algumas reuniões envolvendo o governo e os diversos setores produtivos para "melhor compreensão" dos efeitos da MP 1.227 sobre a atividade econômica, de forma a mitigar "possíveis entendimentos equivocados".

"Sempre dentro do princípio de buscar efetividade nas entregas, e menos protagonismo midiático, isso tem nos permitido evoluir em possíveis entendimentos. Acredito que estamos construindo um caminho para uma boa convergência", afirma a nota.

Embora não tenha assinatura do presidente da CNI, há trechos escritos em primeira pessoa, em que o texto diz crer estar se obtendo consenso de que foi atingido o limite na carga tributária.

"Precisamos construir, em conjunto, outros caminhos para o equilíbrio fiscal e, consequentemente, o melhor para o crescimento econômico. E nesses caminhos temos muitas opções, como o controle dos gastos públicos em geral, combate a toda economia 'marginal', justiça tributária, segurança jurídica, racionalidade das despesas obrigatórias do orçamento público, compreensão do setor financeiro de que as atividades econômicas devem ser o 'norte' básico da intermediação financeira, entre outros", aponta a entidade.

A CNI defende ainda que nem o setor público, nem a sociedade civil e "muito menos o setor financeiro" podem não estar alinhados e não serem "cúmplices" de todo o setor produtivo.

"Creio que podemos iniciar uma honesta e efetiva discussão do que queremos para o nosso futuro e do nosso Brasil. Definitivamente, não existe mais espaço para ônus sobre o setor produtivo e todos, digo todos mesmo, precisam dar a sua contribuição. Somos e sempre seremos a 'alavanca' do crescimento econômico e, consequentemente, do desenvolvimento social sustentável e contínuo do País. E, para tanto, todos os atores econômicos são igualmente importantes", conclui o documento.

No período da manhã, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse querer aproveitar a semana para explicar e esclarecer os efeitos da MP.

Ele afirmou também que, desde sexta, já tem conversado com alguns líderes empresariais e que a pasta está preparando um material para apresentar em reuniões com lideranças do setor produtivo, sobretudo das confederações setoriais.

Veja também

CNJ e Uber assinam acordo para combater violência contra mulheres
Violência

CNJ e Uber assinam acordo para combater violência contra mulheres

Arroz: Governo debate com setor arrozeiro e segura leilão para depois do Plano Safra
BRASIL

Arroz: Governo debate com setor arrozeiro e segura leilão para depois do Plano Safra

Newsletter