A-A+

CNI: reforma da Previdência abrirá caminho para reduzir juros

Entidade que representa indústria cobra redução de gastos públicos

Banco CentralBanco Central - Foto: Agência Brasil/Antonio Cruz

O Banco Central (BC) só poderá reduzir os juros básicos da economia após a aprovação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. A avaliação é da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que cobrou engajamento do governo para mudanças na legislação que reduzam os gastos públicos.

Pela décima vez seguida, o Banco Central (BC) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano, no menor nível da história. A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) está marcada para o fim de julho.

“A decisão mostra a cautela do Banco Central em relação à tramitação da reforma da Previdência e aos possíveis impactos sobre as variáveis econômicas, como o câmbio, o déficit nas contas públicas e o investimento”, informou a CNI em comunicado.

Leia também:
Custos da indústria caem 1% no primeiro trimestre, diz CNI
Banco Central mantém juros básicos no menor nível da história
Bolsas se aproximam de recorde com expectativas de corte de juros e de acordo comercial 

Para a entidade, existe um ambiente favorável à redução dos juros porque a inflação continua abaixo da meta e porque a economia segue com crescimento baixo. “No plano doméstico, diminuíram as pressões sobre os preços e a inflação continua abaixo da meta, e as dificuldades de recuperação da atividade indicam que a economia crescerá menos de 1% neste ano. Além disso, o desemprego continua alto, o que compromete o consumo das famílias”, ressaltou a confederação.

De acordo com a CNI, no cenário internacional, a desaceleração da economia mundial estimula o corte de juros em países emergentes, como o Brasil, antes mesmo de o Federal Reserve (Fed), Banco Central norte-americano, voltar a cortar as taxas. “A queda dos juros é fundamental para estimular os investimentos, o consumo e, consequentemente, o crescimento econômico e a criação de empregos”, conclui o comunicado.

Veja também

Bolsonaro diz que inflação não é por 'maldade' e alerta: 'Nada está tão ruim que não possa piorar'
INFLAÇÃO

Bolsonaro diz que inflação não é por 'maldade' e alerta: 'Nada está tão ruim que não possa piorar'

Facebook suspende projeto do Instagram para crianças
TECNOLOGIA

Facebook suspende projeto do Instagram para crianças