Cofundador do Twitter anuncia doação de US$ 1 bi para ajudar no combate ao coronavírus

Segundo Dorsey, a quantia representa 28% de sua fortuna pessoal

Jack DorseyJack Dorsey - Foto: Reprodução

O empresário norte-americano Jack Dorsey, 43, cofundador do Twitter, prometeu doar US$ 1 bilhão (R$ 5,2 bilhões) para auxiliar no combate ao novo coronavírus nos Estados Unidos. Ele fez o anúncio nesta terça-feira (7) em sua conta na plataforma digital.

Segundo Dorsey, a quantia representa 28% de sua fortuna pessoal. "As necessidades estão cada vez mais urgentes", postou o CEO do Twitter. O empresário não informou quais fundos irão receber a doação. Nesta terça, os Estados Unidos registraram 1.700 mortes em decorrência do coronavírus no país e alcançaram o maior número de vítimas em um único dia desde o início da pandemia.

Leia também:
Campanha pede doações para cestas básicas
Fiocruz lança site de doações para ações contra a Covid-19
Xuxa faz doação milionária e Caetano lidera movimento para minimizar impactos do coronavírus

O país tem mais de 382 mil casos confirmados e 12 mil óbitos em decorrência da Covid-19. Na semana passada, o governo americano apresentou projeções que indicavam que 100 mil a 240 mil pessoas morreriam nos EUA mesmo se adotadas as medidas de distanciamento social, que estão em vigor no país pelo menos até o dia 30 de abril. Dorsey também é cofundador e CEO da Square, um aplicativo de pagamentos pelo celular. Atualmente é o CEO do Twitter e da Square.

Antes de Dorsey, outros empresários do ramo da tecnologia anunciaram suas doações. Jeff Bezos, da Amazon, transferiu US$ 100 milhões (R$ 522 milhões) a bancos de alimentos dos EUA, e Mark Zuckerberg, do Facebook, doou US$ 30 milhões (R$ 156 milhões).

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Setor de casa e construção é o que mais cresce no mercado de franquias
Economia

Setor de casa e construção é o que mais cresce no mercado de franquias

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF
Justiça

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF