Economia

Com aumento do trigo, o pão francês está ficando mais caro no Recife

Estabelecimentos registram aumento de 15% nas últimas semanas

Padaria Nova Armada, na TorrePadaria Nova Armada, na Torre - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Leia também

• Mutirão de negociação de dívidas com bancos segue até próxima quarta-feira (31) no Procon/PE

• Grupo pernambucano anuncia lançamento de montadora de automóveis modulares; confira o primeiro modelo

• Sementes de feijão, milho e sorgo são distribuídas no Agreste

Uma das paixões dos pernambucanos, o pãozinho francês está ficando mais caro. De acordo com o Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria do Estado de Pernambuco, o aumento no preço do trigo para o setor foi de aproximadamente 20% desde que a guerra da Rússia com a Ucrânia começou. Procurados pela reportagem da Folha de Pernambuco, estabelecimentos informaram que a tendência é de reajuste entre 10% e  15% nos preços ao consumidor.     

Mercado é livre

“Não fixamos um aumento de preço porque ele não é tabelado, cada um levanta os seus custos. O que sabemos é que o aumento do preço é contínuo. Não tem como dizer em quanto vai aumentar. No último levantamento interno que fizemos, o menor preço do pão estava em torno de R$ 8,90 o quilo, enquanto o maior era de aproximadamente R$ 15,90. Mas como o trigo não para de aumentar, não sabemos o que vem a seguir”, falou o presidente do Sindicato da Indústria da Panificação, Paulo Pereira.

Em alguns estabelecimentos do Recife o aumento chegará nos próximos dias, como destaca Manoella Vilaça, proprietária da Padaria Nova Armada, localizada no bairro da Torre. “A farinha de trigo vem tendo um aumento desconcertante. Do mês de fevereiro para cá, toda semana estamos tendo um preço diferente. É uma média de 15% de aumento”, disse. 

Custos em alta

Por causa dos conflitos entre Rússia e Ucrânia, que são detentores de 30% do total de exportações do trigo, base para produção de pães e massas, a média de preço sobe e é repassada nos balcões.  

Na Mustardinha, a alta na farinha também causou impacto financeiro para quem compra e para quem vende, como é o caso de Artur Portella, dono da Panificadora Cruz de Cristo. “A realidade é que no final de fevereiro e começo de março tivemos aumentos consideráveis no preço da farinha de trigo. E já existe a expectativa de um novo aumento.

No primeiro momento, conseguimos segurar alguns preços, mas essa semana tivemos que aumentar o valor dos nossos produtos, infelizmente. Desde o início do ano até hoje o percentual de aumento foi 15%”, ressaltou.

Para o porteiro Marcos Antônio Junior, 34, vai ser preciso economizar. Acostumado a comer vários tipos de pães, ele planeja consumir só um produto nos próximos meses. "Eu senti o aumento sim, antes comprava dois, três tipos de pães diferentes. Além do francês, tinha o bolachão e o doce. Com esse aumento vou manter apenas o tradicional", comentou.

Apesar do aumento, Heitor Gonçalves da Silva, aposentado, vai manter o costume. "Não abro mão do meu pão francês. Enquanto tiver condições de comprar, eu não deixo de ter na mesa”.

PROCON DE OLHO
 
Devido ao aumento do trigo, o PROCON de Pernambuco destacou que o órgão sempre verifica em caso de prática abusiva de preços ao consumidor, segundo Danyelle Sena ainda não foi realizada uma fiscalização, mas alguns pontos podem ser observados pelo consumidor: “Ainda não fizemos uma pesquisa comparativa de preços nas padarias, mas é importante ressaltar que o pão tem que ser vendido por peso e não por unidade. O que nós podemos fazer é pedir as notas fiscais de compra e de venda para checar um possível abuso de preço”.

Veja também

Novo Audi Q5 chega como primeiro híbrido da marca no país por R$ 413.990
FMotors

Novo Audi Q5 chega como primeiro híbrido da marca no país por R$ 413.990

Intenção de consumo das famílias cresce 2,9%
Economia

Intenção de consumo das famílias cresce 2,9%