JUROS

Com provável alta da taxa básica de juros, rendimento da poupança vai mudar

Essa alteração acontecerá porque a poupança tem dois cálculos diferentes dependendo do patamar da Selic

DinheiroDinheiro - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Com a provável elevação da taxa básica de juros, a Selic, para 9,25% nesta quarta-feira, o Banco Central também estará alterando o cálculo do rendimento da poupança, mas o resultado final seria parecido neste momento.

Essa alteração acontecerá porque a poupança tem dois cálculos diferentes dependendo do patamar da Selic. Se ela estiver abaixo de 8,5%, o cálculo é um, se estiver acima, outro.

No cenário atual, com a Selic em 7,75%, a poupança rende 70% do valor da Selic mais a Taxa Referencial (TR), uma taxa calculada pelo Banco Central que leva em conta, entre outros fatores, o patamar da Selic. Como ela está zerada, o rendimento seria de 5,53% ao ano.

Já com a taxa básica de juros em 9,25%, o rendimento é de 0,5% ao mês mais a TR. Em doze meses com a taxa nesse patamar, seria um rendimento de 6,17% mais a TR. Se o cálculo continuasse pelo método anterior, o rendimento seria de 6,45%.

Como a Selic está muito próxima desse limite de 8,5%, a TR não será muito alta e por isso a diferença entre os dois cálculos ainda seria pequena.
 

Projeções da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) mostram que R$ 10 mil na poupança por 12 meses com Selic em 9,25%, renderia R$ 617 mais a TR. Já com a Selic em 7,75%, o rendimento em um ano seria de R$ 553.

Miguel Oliveira, diretor-executivo da Anefac, explica que à medida que a Selic for aumentando, a projeção do mercado é de 11,25% em 2022, a TR acompanha e o rendimento também.

"Se houver alteração do TR vai ser mínima, coisa marginal. Agora se a Selic for acima de 12% você começa a ter uma incidência maior de TR", disse.

Esses rendimentos ficam abaixo da inflação deste ano, que está em 10,73% no acumulado de dois meses em novembro. Ou seja, ao final do ano, o dinheiro perderia valor.

Segundo a planejadora financeira e professora da FGV, Myrian Lund, o patamar de 8,5% é o equilíbrio entre as duas formas de correção e por isso a mudança não faz tanta diferença.

"A taxa de 8,5% seria o ponto de equilíbrio, tanto por um sistema quanto pelo outro você vai ter a mesma rentabilidade, não tem uma mudança na taxa significativa", explicou Lund.

A planejadora financeira ressalta que há outras opções de investimento no mercado com retorno melhor do que a poupança e que deveriam ser consideradas.

"Se você quer ter um ganho acima da inflação, tem que mudar sua aplicação. Se você quiser ter liquidez diária, tem o tesouro Selic, ou CDB do banco, RPC da cooperativa, você ganha mais com liquidez diária",  disse.

 

Veja também

Bolsonaro não garante reajuste para policiais, mas diz que aumento para outros servidores só em 2023ORÇAMENTO

Bolsonaro não garante reajuste para policiais, mas diz que aumento para outros servidores só em 2023

'Vamos salvar três categorias ou vai todo mundo sofrer?', diz Bolsonaro sobre reajuste para servidorECONOMIA

'Vamos salvar três categorias ou vai todo mundo sofrer?', diz Bolsonaro sobre reajuste para servidor