Combustível

Brasileiros cruzam fronteira para a Argentina em busca de combustível mais barato

Os argentinos estão limitando a no máximo 15 litros a venda do combustível para veículos com placas estrangeiras

Brasileiros procuras gasolina em postos argentinos devido a preços mais atrativosBrasileiros procuras gasolina em postos argentinos devido a preços mais atrativos - Foto: Reprodução/Twitter

Leia também

• Estados congelam ICMS da gasolina por 90 dias

• Gasolina sobe pela quinta semana seguida, diz ANP. Diesel e gás de botijão também têm alta

• Petrobras propõe aumentar em até quatro vezes o preço do gás natural em 2022

Os postos de gasolina de Puerto Iguazú, município da Argentina vizinho a Foz do Iguaçu (PR), estão limitando a no máximo 15 litros a venda do combustível para veículos que chegam do exterior. A medida foi tomada para controlar a demanda de brasileiros nos postos argentinos, por causa da alta nos preços dos combustíveis no Brasil. As informações são da Folha de São Paulo. 

Na cidade argentina, o litro da gasolina está sendo vendido a quase metade do preço encontrado no Brasil. Isto está fazendo com que brasileiros cruzem as fronteiras a fim de economizar. 

Dependendo do tipo, o litro do combustível está custando entre 92,50 e 95,20 pesos, em Puerto Iguazú, o que equivale a aproximadamente R$ 3,15 a R$ 3,60.

A alta procura pelo combustível no país vizinho se justifica uma vez que o litro é vendido por cerca de R$ 6,90 em Foz do Iguaçu. 

Não é só os brasileiros que estão sendo atraídos pelos preços cobrados nos postos argentinos. Motoristas do Paraguai, que pagam aproximadamente R$ 4,10 pelo litro da gasolina em seu país, também estão procurando por combustível na Argentina. 

A limitação de 15 litos por pessoa é para evitar o desabastecimento na cidade, como já aconteceu em alguns municípios. No entanto, alguns postos estão permitindo até 30 litros por veículo, com a condição de que sejam 15 litros de gasolina comum e outros 15 litros de aditivada.

Uma estratégia recorrente de alguns motoristas, é abastecer 15 litros em um posto e mais 15 em outro. Um brasileiro, que não quis se identificar, relata ainda que alguns frentistas aceitam propina de R$ 10 para encher o tanque.

Devido a grande movimentação, o assunto também tem repercutido nas redes sociais. No twitter, um argentino aconselhou que aos que forem viajar a alguma cidade que faz fronteira com o Brasil, que vão de bicicleta. "Por conta da diferença no preço do combustível, uma enxurrada de veículos do Brasil e do Paraguai estão vindo somente para abastecer com gasolina, gerando filas e desabastecimento em Puerto Iguazú", escreveu um internauta. "Argentina país generoso", completou.

 

Veja também

'Metaverso mudará a cognição humana', diz Marcelo Lacerda, presidente do conselho da MagnopusTECNOLOGIA

'Metaverso mudará a cognição humana', diz Marcelo Lacerda, presidente do conselho da Magnopus

Após nova alta dos combustíveis, Lira diz que Senado deve ser cobradoCombustível

Após nova alta dos combustíveis, Lira diz que Senado deve ser cobrado