Comissão da Câmara aprova juizado especial para crime cibernético

Em 2017 o Brasil passou a ser o segundo país com maior número de crimes cibernéticos, segundo um relatório da Norton Cyber Security

Novas regras buscam reduzir burocracia na aquisição de bens e serviços de informática e reduzir possibilidade de fraude   Novas regras buscam reduzir burocracia na aquisição de bens e serviços de informática e reduzir possibilidade de fraude  - Foto: Pixabay

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou nesta terça-feira (10) um projeto que cria os juizados especiais criminais digitais. Como foi aprovado em caráter conclusivo, e se não houver recurso para votação no plenário da Câmara, o texto segue para análise direta do Senado.

Esses juizados serão competentes, de acordo com o texto, para "a conciliação, o julgamento e a execução das infrações penais de menor potencial ofensivo cometidas mediante o emprego da informática, ou a ela relacionadas".

A autora do projeto, deputada Laura Carneiro (PMDB-RJ), argumentou que a ocorrência de crimes cibernéticos tem crescido à medida que computadores e outros meios tecnológicos são mais utilizados pela população. "Nesse contexto, o computador ou dispositivo pode ser o agente, o facilitador ou a vítima do crime. O delito pode ocorrer apenas em um computador, como também em outras localizações", escreveu a deputada.

Leia também:
Preso homem suspeito de aliciar mais de 100 crianças pela internet em Pernambuco
PF prende suspeito de divulgar pornografia infantil na internet


Entre os crimes cibernéticos estão o roubo ou a manipulação de dados ou serviços através de pirataria ou vírus, o roubo de identidade e fraude no setor bancário ou de comércio eletrônico, o assédio e molestamento na internet, a violência contra crianças, a extorsão, a chantagem, a manipulação do mercado de valores, a espionagem empresarial e o planejamento ou execução de atividades terroristas.

Segundo um relatório da Norton Cyber Security, divulgado no início desse ano, em 2017 o Brasil passou a ser o segundo país com maior número de crimes cibernéticos. Cerca de 62 milhões de pessoas já foram afetadas e um prejuízo de US$ 22 bilhões foi causado.

Em 2016, o Brasil era o quarto colocado na lista, mas agora fica atrás apenas da China, que em 2017 teve um prejuízo de US$ 66,3 bilhões. Ainda segundo o relatório, um dos principais fatores deste aumento de crimes está na popularidade de smartphones, que agora chegam a 236 milhões de aparelhos no Brasil -são 113,52 dispositivos para cada 100 habitantes.

Veja também

Novo Taos chega ao Brasil no segundo trimestre deste ano
VEÍCULOS

Novo Taos chega ao Brasil no segundo trimestre deste ano

Redes sociais chegam a 4 bilhões de usuários pelo mundo
Tecnologia e Games

Redes sociais chegam a 4 bilhões de usuários pelo mundo