Comissão do Senado aprova regulamentação da gorjeta

Distribuição dos valores entre os funcionários pode ser definida, segundo a proposta, por meio de acordo coletivo dos funcionários

Paulo Câmara (PSB) e outros 21 governadores atuais e eleitos assinaram o documentoPaulo Câmara (PSB) e outros 21 governadores atuais e eleitos assinaram o documento - Foto: Hélia Scheppa/PSB

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou, nesta quarta-feira (30), projeto de lei que regulamenta a gorjeta, valor pago por clientes a garçons, camareiros e outros profissionais em bares, restaurantes, hotéis, motéis e estabelecimentos similares. Pelo projeto aprovado, a gorjeta não se restringe ao valor dado espontaneamente pelo cliente ao funcionário, mas inclui a cobrança adicional cobrada pela empresa, como a taxa de 10%, e que é destinada aos empregados do estabelecimento.

O documento estabelece que, depois de descontados os 20% referentes aos encargos sociais e previdenciários dos empregados, a empresa deve reverter o valor integral da gorjeta aos funcionários, além de anotar na carteira de trabalho e no contracheque os valores referentes ao salário e ao rateio.

O texto altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), de 1943, e prevê a formação de uma comissão de empregados que possa acompanhar e fiscalizar a retenção da gorjeta. A distribuição dos valores entre os funcionários pode ser definida, segundo a proposta, por meio de acordo coletivo dos funcionários. Se o empregador descumprir a nova medida, fica sujeito ao pagamento de multa no valor correspondente a 2/30 (dois trinta avos) da média da taxa de serviço por dia de atraso. O projeto de lei aprovado deve passar por uma segunda votação em turno suplementar no Senado.

Veja também

Pandemia segura recuperação do setor de seviços, aponta IBGE
Economia

Pandemia segura recuperação do setor de seviços, aponta IBGE

Entenda como o PIB do Brasil registrou crescimento recorde no 3º trimestre
Economia

Entenda como o PIB do Brasil registrou crescimento recorde no 3º trimestre