A-A+

Concentração bancária sofre leve queda em 2018, diz BC

Em 2018, os cinco maiores bancos do país eram responsáveis por 83,8% dos depósitos totais

Crescimento econômicoCrescimento econômico - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A concentração bancária no país sofreu uma leve queda no ano passado em comparação ao ano anterior, divulgou nesta terça-feira (28) o Banco Central (BC) em seu Relatório de Economia Bancária. Segundo o relatório, as cinco maiores instituições do país, o Banco do Brasil, o Itaú, o Bradesco, a Caixa Econômica Federal e o Santander, são responsáveis por 84,8% das operações de crédito [ou de empréstimo] do país.

Em 2017, esse dado correspondia a 85,8%. Em 2018, os cinco maiores bancos do país eram responsáveis por 83,8% dos depósitos totais, uma pequena queda em comparação a 2017, quando os depósitos correspondiam a 85%.

Segundo o relatório, essas instituições detiveram 81,2% dos ativos totais do setor bancário comercial em 2018. No ano anterior, os ativos correspondiam a 82,6%.


Leia também:
Banco Central mantém juros básicos no menor nível da história
Intervenção do Banco Central não freia alta do dólar

Perspectivas
O Banco Central do Brasil projeta crescimento de 7,2% no saldo total de crédito para 2019, com aumento de 12,5% do saldo de crédito de recursos livres e de 0,8% do saldo de credito com recursos direcionados, segundo a instituição, durante apresentação do seu Relatório de Economia Bancária em São Paulo.

No ano passado, o aumento no saldo total de crédito foi de 5%, após dois anos seguidos de quedas [-3,5% e -0,5% em 2016 e 2017, respectivamente]. Para as pessoas físicas, o BC projeta crescimento de 9,7% do estoque de crédito e, para pessoas jurídicas, de 4,1%.

Veja também

Em dois dias, vendas on-line na Black Friday somam R$ 5,4 bi e ficam abaixo da expectativa
Economia

Em dois dias, vendas on-line na Black Friday somam R$ 5,4 bi e ficam abaixo da expectativa

Latam apresenta plano de recuperação de US$ 8,19 bilhões à Justiça americana
Companhia aérea

Latam apresenta plano de recuperação de US$ 8,19 bilhões à Justiça americana