Confiança do empresário atinge menor nível desde setembro de 2017

Segundo o pesquisador da FGV Rodolpho Tobler, a confiança do empresário brasileiro sofreu impacto significativo pela pandemia do novo coronavírus

Comércio de carrosComércio de carros - Foto: Agência Brasil/EBC

O Índice de Confiança Empresarial (ICE), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), caiu 6,5 pontos de fevereiro para março deste ano. Foi a maior queda desde a recessão de 2008/2009. Com o resultado, o indicador chegou a 89,5 pontos, em uma escala de zero a 200, o menor nível desde setembro de 2017 (88,5 pontos).

A média do primeiro trimestre deste ano fechou 1,1 ponto inferior à média do trimestre anterior. Em médias móveis trimestrais, o índice caiu 2,2 pontos e inverteu a tendência ascendente iniciada em agosto do ano passado.

Leia também:
Desemprego aumentou antes de pandemia do novo coronavírus crescer
Mercado financeiro projeta queda de 0,48% na economia este ano
Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia


Em março, o Índice da Situação Atual, que mede a confiança no momento presente, recuou 0,8 ponto e passou para 91,7. Já o Índice de Expectativas, que mede a opinião dos empresários sobre o futuro, caiu 14,9 pontos, a maior queda desde outubro de 2008, passando de 102,6, zona de neutralidade, para 87,7 pontos, área de pessimismo.

Segundo o pesquisador da FGV Rodolpho Tobler, a confiança do empresário brasileiro sofreu impacto significativo pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Houve piora em todos os setores, especialmente no comércio (11,7 pontos) e nos serviços (11,6 pontos). A indústria caiu 3,9 pontos e a construção, 2 pontos.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Vendas do Tesouro Direto têm segundo melhor nível para meses de junho
Economia

Vendas do Tesouro Direto têm segundo melhor nível para meses de junho

Chevrolet Tracker não será produzido por mais 30 dias
FMotors

Chevrolet Tracker não será produzido por mais 30 dias