A-A+

INSS

Congresso derruba veto de Bolsonaro e mantém suspensa prova de vida do INSS até o fim do ano

Suspensão iniciada por conta da pandemia será mantida; governo era contrário por alegar que medida implica em 'pagamento indevido de benefícios'

INSSINSS - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Leia também

• Teto do INSS pode subir para R$ 6.973,99 e salário mínimo para R$ 1.192 em 2022

• PF prende seis por suspeita de fraudes em benefícios do INSS de R$ 27,6 milhões

• Justiça garante auxílio-doença do INSS para dona de casa

O Congresso derrubou um veto do presidente Jair Bolsonaro e retomou a suspensão da prova de vida do INSS até o fim do ano.

A prova de vida é prevista em lei e tem o objetivo de evitar fraudes no pagamento de benefícios, fazendo com que, uma vez por ano, aposentados, pensionistas e titulares de benefícios assistenciais tenham que ir à agência bancária em que recebem para atualizar a senha e provar que estão vivos.

Por conta da pandemia, essa obrigatoriedade chegou a ser suspensa em março do ano passado e foi retomada em junho, mas com a possibilidade de ser feita via biometria facial cadastrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou no Detran.

Parlamentares que foram favoráveis à derrubada do veto sustentaram que a prova de vida ainda pode causar riscos por conta da pandemia de Covid-19.

Pela lei aprovada, todos os bancos deverão, a partir do ano que vem, usar sistema biométrico para realizar prova de vida e dar preferência de atendimento a pessoas com mais de 80 anos, para evitar demora nas filas.

Também foi autorizado que um representante legal, devidamente cadastrado no INSS, possa comparecer ao local em nome do beneficiário.

Veja também

Bolsa tem leve queda com ajuste do mercado à alta da Selic
Ibovespa

Bolsa tem leve queda com ajuste do mercado à alta da Selic

Investimento em renda fixa indexada à inflação se destaca com alta dos juros
Mercado Financeiro

Investimento em renda fixa indexada à inflação se destaca com alta dos juros