Congresso vai priorizar projeto emergencial a estados em vez do Plano Mansueto

Sem acordo, Plano Mansueto, com medidas de médio prazo, não será votado por ora; líderes querem aprovar ações de curto prazo

Mansueto Almeida, secretário do Tesouro NacionalMansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O governo e o Congresso articulam um projeto com medidas para aliviar o caixa dos estados e municípios durante a pandemia do novo coronavírus. Com a proposta emergencial, o Plano Mansueto, conjunto de ações de médio a longo prazo para esses entes, só será votado na Câmara apenas após o controle da Covid-19.

O novo projeto deverá prever, por exemplo, a suspensão de dívidas, linhas de financiamento para os estados, novos limites de endividamento neste ano e o adiamento do prazo para pagamento de precatórios (dívidas a pessoas físicas ou empresas por decisão judicial).

Para tentar destravar o Plano Mansueto, enviado ao Congresso em junho de 2019, o governo e líderes partidários chegaram a articular a inclusão dessas medidas emergenciais no texto -de efeito no médio prazo- que cria um programa de estímulo ao ajuste das contas de estados e municípios. Mas a ideia não foi suficiente para reduzir as críticas ao plano.

Leia também:
Plano Mansueto mexe em folha. Alepe, TCE, TJPE e MP reagem
Aplicativo da Caixa para auxílio emergencial de R$ 600 tem instabilidade


Por isso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou nesta terça-feira (7) que, por ora, o Plano Mansueto será substituído pela proposta emergencial de auxílio aos estados e municípios, com ações de efeito durante a pandemia.

"Estamos tentando construir isso, junto com a equipe econômica. Seria o ideal, que a gente construa uma alternativa de um texto enxuto, que trate do curto prazo", disse Maia. Para ele, é mais fácil construir um acordo partidário para ações emergenciais.

Maia espera costurar a proposta até esta quarta (8), que pode ir a votação ainda nesta semana. Mas texto ainda precisa ser analisado pelos líderes da Casa.

"Os estados já estão perdendo arrecadação nesse inicio de abril, e nós precisamos garantir que os entes federados continuem funcionando", argumentou o presidente da Câmara.

O Plano Mansueto prevê acesso a financiamento a estados que cumprirem alguns requisitos.São exemplos de contrapartidas: privatizar empresas dos setores financeiro, energia, de saneamento, ou de gás; reduzir em 10% os incentivos ou benefícios tributários no ano seguinte à assinatura do programa de socorro.

O Tesouro havia reservado R$ 40 bilhões, sendo R$ 10 bilhões por ano, para dar aval a empréstimos estaduais. Governadores, no entanto, avaliaram que as exigências são muito duras, o que contribuiu para o entrave do plano.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Netflix dispara na bolsa após superar os 200 milhões de assinantes
Mercado

Netflix dispara na bolsa após superar os 200 milhões de assinantes

Privacidade e WhatsApp: em que a última atualização interfere?
Tecnologia e games

Privacidade e WhatsApp: em que a última atualização interfere?