Conselho Curador garante recursos para o Minha Casa, Minha Vida

Proposta visa gerar ou manter 2,5 milhões de empregos na construção

Voto eletrônicoVoto eletrônico - Foto: Wilson Dias/ABr

 

O Minha Casa, Minha Vida já tem R$ 48,5 bilhões garantidos para o próximo ano. Os recursos virão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que teve o orçamento dos próximos quatro anos definido na terça-feira (25). Ao todo, serão injetados R$ 331 bilhões na economia nacional até 2020. E R$ 87 bilhões já serão liberados em 2017, sobretudo para o financiamento de habitações populares.

O setor da habitação recebeu R$ 63,5 bilhões do orçamento definido para o próximo ano pelo Conselho Curador do FGTS, que se reuniu ontem em Brasília. Desses, R$ 58,5 bilhões vão para moradias populares, sendo R$ 48,5 bilhões pelo MCMV e R$ 9 bilhões através de descontos oferecidos a famílias de baixa renda. Mais R$ 5 bilhões serão destinados à linha Pró-Cotista, que financia imóveis de R$ 225 mil e R$ 500 mil e sofreu com falta de orçamento no início deste ano, tendo que receber crédito adicional de R$ 8,2 bilhões do FGTS.

Com isso, o fundo espera gerar ou manter 2,5 milhões de empregos no setor da construção civil e beneficiar mais de 556 mil famílias de baixa renda no acesso à casa própria em 2017. O fundo ainda vai investir R$ 14 bilhões em mobilidade urbana e R$ 9,5 bilhões em saneamento básico no próximo ano.

 

Veja também

Governo dá início a processo de fusão entre Valec e EPL
economia

Governo dá início a processo de fusão entre Valec e EPL

Rio tenta adiar julgamento sobre royalties do petróleo no STF
petroleo

Rio tenta adiar julgamento sobre royalties do petróleo no STF