Conselho da Caixa poderá demitir executivos, e BC terá que aprovar dirigentes

Competência para eleger ou destituir os vice-presidentes da empresa era do presidente da República por indicação do Ministério da Fazenda

Sede da Caixa Econômica Federal em BrasíliaSede da Caixa Econômica Federal em Brasília - Foto: Divulgação

A Caixa aprovou nesta sexta-feira (19) seu novo estatuto, que adequou o banco à Lei das Estatais, de 2016. Com as mudanças, o conselho de administração poderá tomar decisões a respeito dos dirigentes do banco, e a tendência é que determinem a destituição definitiva dos vice-presidentes afastados pelo presidente Michel Temer nesta semana.

Com as mudanças aprovadas, a competência para eleger ou destituir os vice-presidentes da empresa, que anteriormente era do presidente da República por indicação do Ministério da Fazenda, passa a ser do conselho de administração, a partir de indicação do Comitê de Indicação e Remuneração.

Leia também:
Entidade entra com ação para barrar socorro de R$ 15 bi à Caixa
Caixa substituirá temporariamente vice-presidentes afastados


De acordo com as novas regras, 25% dos membros do conselho de administração terão que ser independentes. Os vice-presidentes também passam a ter que ser aprovados pelo Banco Central, e foram instituídos novos critérios para a seleção de dirigentes, como o auxílio de consultorias especializadas em recrutamento de executivos.

Além disso, a avaliação dos candidatos a executivos do banco passará a levar em conta critérios mais rigorosos, com vedações rígidas e exigência de fatores como experiência, conduta, metas e resultados. Outra mudança é que passará a ocorrer uma assembleia geral com competência para destituir os próprios membros do conselho. Essa assembleia também decidirá a remuneração dos administradores e aprovará as demonstrações contábeis da Caixa.

"[O novo estatuto prevê] Inclusão de novas práticas voltadas para a integridade e gestões de riscos, incorporando os preceitos da Lei de Estatais e o disposto em recentes normas publicadas pelos órgãos de supervisão, controle e fiscalização, inclusive pela CVM [Conselho de Valores Mobiliários]", explica texto divulgado pela Caixa.

O banco terá que divulgar anualmente uma carta de governança e unificou os prazos de gestão para o conselho de administração e o conselho diretor, além de unificar o mandato dos membros do conselho fiscal. O antigo Comitê de Riscos foi extinto e foi substituído pelo Comitê Independente de Riscos. Foram criados ainda quatro comitês vinculados ao conselho de administração.

"O novo estatuto é um importante marco na gestão e governança da Caixa, trazendo mudanças como a criação da Assembleia Geral, novas regras para escolha e atuação dos dirigentes do banco, maior transparência nos processos decisórios e criação de novos comitês estatutários", afirma texto divulgado pela assessoria de imprensa da Caixa.

Veja também

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas
economia

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia
economia

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia