Construção tem recursos garantidos

Segundo Meirelles, o governo fez cálculos “rigorosos” para evitar um possível impacto

Meirelles: financiamentos não serão comprometidos Meirelles: financiamentos não serão comprometidos  - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

 

O financiamento da habitação e o se­­­tor da construção civil não serão afetados pelo saque dos recursos das contas inativas do Fundo de Garantia do Tem­­po de Serviço (FGTS), afirmou ontem o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Segundo Meirelles, o governo fez cálculos “rigorosos” para evitar um possível impacto. “Fizemos cálculos atuariais bastante rigorosos e concluímos que há recursos suficien­tes para assegurar recursos, em nível adequado, para financiamento da habitação no Paísa”, disse o ministro a jor­nalistas, após o anúncio do ca­lendário de saques.

O cro­no­grama será de acordo com o aniversário dos beneficiários e começa em 10 de março. O ministro interino do Planejamento, Desenvolvimen­to e Gestão, Dyogo Oliveira, destacou que um dos motivos pelos quais a autorização de saque restringe-se às contas inativadas até 31 de dezembro de 2015 é manter o equilíbrio na utilização dos recursos do FGTS.

Segundo Oliveira, o go­verno não considera esten­der a autorização às contas que ficaram inativas após a da­­ta. “Temos tido bastante cui­dado com a sustentabilidade do sistema do FGTS”, disse.
No início deste mês, o governo anunciou a ampliação do Programa Minha Casa, Minha Vida. O orçamento do programa subiu de R$ 64,4 bilhões para R$ 72,9 bilhões, um incremento de R$ 8,5 bilhões.

Na ocasião, o presidente Michel Temer afirmou que as mudanças representam uma combinação de programa social e estímulo ao setor da construção civil.

 

Veja também

Pagamento do auxílio emergencial injeta menos recursos para o comércio varejista em 2021
Comércio

Pagamento do auxílio emergencial injeta menos recursos para o comércio varejista em 2021

Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em maio
CALENDÁRIO

Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em maio