Economia

Consumidor de energia pagará indenização

Conta de luz dos brasileiros terá impacto de 7,17%. Parte do índice pode entrar no reajuste da Celpe

Chesf vai receber R$ 2,3 bilhões só este ano e pode investir em transmissãoChesf vai receber R$ 2,3 bilhões só este ano e pode investir em transmissão - Foto: Marcelo casal/abr

 

O atraso no pagamento de indenizações prome­tidas às transmissoras de energia elétrica terá impacto médio de 7,17% nas contas de luz dos consumido­res brasileiros pelos próximos oito anos. É que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) atualizou os valores que deveriam ter sido pa­­gos em 2013 e chegou ao no­­vo montante de R$ 62,2 bi­lhões, que será dividido en­tre as nove concessionárias que aceitaram renovar os contratos de concessão nas condições propostas pelo Gover­no Federal na época.

A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) está entre elas e deve receber, es­te ano, R$ 2,3 bilhões. É possível que a Aneel já considere o impac­to desse dispêndio na próxima revisão tarifária da Compa­­nhia Energética de Pernam­buco (Cel­pe), orçada preliminarmente em 2,35% e prevista para vigorar a partir de abril.
Vale destacar que a projeção de reajuste de 7,17% não será aplicada em sua totalidade, já que a transmissão é apenas um item dentre tantos que compõem o cálculo da conta de energia. Ele contabiliza ainda custos de geração, distribuição, subsídios e impostos.

Apesar de a conta afetar o bolso do consumidor, fato es­te que aconteceu depois que a ex-presidente Dilma Rousseff decidiu compensar às elétricas em troca do barateamen­to da energia, especialis­tas no setor dizem que o efeito será mínimo quando for dissolvido ao longo dos anos.

Mesmo assim, disse o diretor da Aneel, Reive Barros, ao UOL, os valores eram para ter sido pagos em 2013, o que não ocorreu. “O fato de não ter sido pago naquela época trouxe um valor para o consumidor”, disse o responsável pelo processo sobre as compensações na reguladora. O pagamento começará a ser feito a partir de julho deste ano. Dos R$ 62,2 bilhões a serem pagos em oito anos, R$ 35 bilhões são relativos à atualização do valor original. A conta deu um pulo porque foi atualizada pela inflação e remunerada pelo custo de capital próprio do segmento de transmissão, constituindo um componente financeiro.

Sem considerarmos esses componentes, a Chesf receberia o equivalente a R$ 18,4 bilhões até 2025. A Aneel, contudo, não recomenda fazer essa equação uma vez que os valores são reajustados ano a ano pela inflação. Porém, vale frisar, que este quantitativo é bem maior que o esperado pela Companhia. Ano passado, a Aneel havia reconhecido R$ 5,09 bilhões devidos à geradora.

“Com essa receita, a Chesf terá um reforço para entregar as 50 obras de linhas de transmissão em atraso e dar continuidade a outras 30 que foram autorizadas”, disse o ex-presidente da Chesf, José Carlos de Miranda Farias. Para ele, esta é uma boa notícia para a controlada, que vinha amargando resultados negativos nos últimos anos. No último balanço, o resultado só foi positivo graças à sinalização do pagamento desses ativos de transmissão. Procurada, a Chesf não comentou sobre o assunto.

 

Veja também

Associação que assiste doentes de fígado passa a receber doações pelo Imposto de Renda
Solidariedade

Associação que atende doentes de fígado recebe doações pelo IR

Aneel mantém bandeira tarifária verde para junho
Energia Elétrica

Aneel mantém bandeira tarifária verde para o mês de junho para todos os consumidores