A-A+

Consumidores poderão negociar dívidas em Paulista

Pela primeira vez, o Mutirão do Superendividados do Procon-PE será realizado na cidade

DívidasDívidas - Foto: Felipe Ribeiro / Arquivo Folha

Clientes em dívida com bancos, Celpe, Compesa, empresas de telefonia e com o IPTU terão uma oportunidade de negociar seus débitos entre 8 e 10 de abril no Mutirão do Superendividados, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife (RMR).

Os atendimentos serão realizados no Núcleo de Práticas Jurídicas da Uninabuco, localizado na rua do Rosarinho, nº 904, ao lado do Shopping North Way. As fichas são limitadas e os clientes serão atendidos das 8h às 13h.

Leia também:
Endividamento de famílias brasileiras atinge maior patamar desde 2015
Endividamento entre jovens: 12 milhões de brasileiros, entre 25 e 29 anos, estão inadimplentes

É a primeira vez que o mutirão - organizado pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, através do Procon-PE - será realizado em Paulista. Todas as negociações realizadas serão acompanhadas por advogados do Procon, para que o consumidor tenha garantida uma proposta diferenciada e que se enquadre em sua realidade financeira.

Segundo a secretaria, todas as empresas, exceto os bancos, que precisam do prazo de 10 dias para apresentar as propostas, realizarão audiências no momento do atendimento para que o consumidor saia do local com a negociação fechada.

Para participar, o cliente deve apresentar original e cópia da carteira de identidade, CPF e o comprovante de residência, além de documentos que possam comprovar a dívida, como nota fiscal, ordem de serviço, faturas, comprovante de pagamento e/ou contrato, número de protocolo, entre outros. Caso no documento conste o nome de outra pessoa, que não seja o titular, é preciso procuração reconhecida em cartório para a representação.

Veja também

Vale decide devolver processos de mineração em terras indígenas
Território indígena

Vale decide devolver processos de mineração em terras indígenas

Entenda por que a Evergrande sinaliza desaceleração da China e seu impacto no Brasil
Bolsa

Entenda por que a Evergrande sinaliza desaceleração da China e seu impacto no Brasil