Economia

Contas públicas têm déficit de R$ 20,9 bilhões em fevereiro

Os números ainda não refletem os efeitos da crise do coronavírus

Banco CentralBanco Central - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

As contas públicas do país registraram um déficit primário de R$ 20,9 bilhões em fevereiro, no pior resultado para o mês em três anos. Segundo os dados divulgados pelo Banco Central na manhã desta terça-feira (31), os números ainda não refletem os efeitos da crise do coronavírus.

No bimestre, no entanto, o saldo das contas públicas foi positivo em R$35,4 bilhões, puxado pelo resultado de janeiro -superávit de R$ 56,2 bilhões. "Pode-se citar como um dos fatores que vêm contribuindo para a ocorrência de superávits primários em janeiro a sazonalidade da arrecadação tributária", explica o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha.

O resultado primário indica a capacidade do governo de pagar as contas, exceto os encargos da dívida pública. A meta fixada em lei era de déficit de R$ 118,9 bilhões para 2020. Mas, com o decreto de calamidade pública por conta da pandemia da Covid-19, esse valor poderá ser maior.

Leia também:
Banco Central anuncia redução de compulsório e empréstimo a instituições
Novo saque do FGTS pode ser de R$ 1.000 devido ao coronavírus, estuda governo


Já a dívida líquida do setor público ficou em 53,5% do PIB (Produto Interno Bruto), redução de 0,6 pontos percentuais no mês. A queda, segundo o BC, refletiu principalmente a alta de 5,4% do dólar no período.

Quando há valorização da moeda norte-americada, há também redução do valor da dívida líquida em reais por conta das reservas internacionais. A dívida bruta, no entanto, aumentou de 0,4 ponto percentual em relação ao PIB, e ficou em 76,5%.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Confiança da indústria sobe pelo segundo mês, diz FGV
BRASIL

Confiança da indústria sobe pelo segundo mês, diz FGV

G7 prevê deixar de financiar energias fósseis no exterior antes do final de 2022
ENERGIA FÓSSIL

G7 prevê deixar de financiar energias fósseis no exterior antes do final de 2022