Contas públicas têm pior superávit para abril desde 1998

A meta do governo é encerrar 2019 com déficit primário de R$ 139 bilhões

BC registrou déficit primário de R$ 18,629 bilhões em marçoBC registrou déficit primário de R$ 18,629 bilhões em março - Foto: Agência Brasil

As contas do governo federal tiveram superávit de R$ 6,5 bilhões em abril, uma queda de 25,3% em relação ao mesmo mês de 2018 e o pior resultado para o mês desde 1998, informou o Tesouro nesta quarta-feira (29).

Em abril de 1998, o superávit foi de R$ 6,38 bilhões. O pior superávit foi registrado em 1997 (R$ 5,646 bilhões). No acumulado do ano, o déficit primário está em R$ 2,75 bilhões, o quarto pior para o período na série histórica do Tesouro, iniciada em 1997.

Em janeiro, o saldo foi positivo em R$ 30,2 bilhões. O movimento se reverteu em fevereiro, com um déficit de R$ 18,3 bilhões. O saldo negativo se intensificou em março. O déficit de R$ 21,1 bilhões no mês passado só não foi maior do que o registrado no mesmo período de 2018, de R$ 24,5 bilhões.

Leia também:
País continuará com déficit até 2025, prevê instituição do Senado
Projeção de crescimento da economia em 2019 cai pela 13º vez seguida


Em abril de 1998, o superávit foi de R$ 6,38 bilhões. O pior saldo positivo foi registrado em 1997 (R$ 5,646 bilhões). No acumulado do ano, o déficit primário está em R$ 2,75 bilhões, o quarto pior para o mês na série histórica do Tesouro, iniciada em 1997. Os valores já estão corrigidos pela inflação no período.

No acumulado em 12 meses, o rombo está em R$ 121,85 bilhões -a meta do governo é encerrar 2019 com déficit primário de R$ 139 bilhões.Em abril, a Previdência Social teve déficit de R$ 61,5 bilhões, enquanto Tesouro Nacional e Banco Central registraram superávit de R$ 57,3 bilhões. Os três compõem o governo central.

Veja também

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial
Benefício

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão
Restrições

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão