A-A+

Crise energética

Contra racionamento, governo inaugura térmica com energia mais cara do País

Localizada no Mato Grosso do Sul, a térmica estava parada desde 2017

Térmica William ArjonaTérmica William Arjona - Foto: Divulgação

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, participou, nesta quarta-feira (28), de cerimônia de reinauguração da térmica William Arjona, a usina de energia mais cara do país, com custo de R$ 1.741 por cada MWh (megawat-hora) gerado.

Localizada no Mato Grosso do Sul, a térmica estava parada desde 2017 e a retomada das operações foi antecipada para ajudar a enfrentar a seca sobre os reservatórios das principais hidrelétricas brasileiras.

Para especialistas, a estratégia de enfrentamento da crise, focada até o momento no aumento da oferta, é arriscada e coloca ainda mais pressão sobre a conta de luz, já que contempla a contratação de fontes geradoras mais caras.

Embora use gás natural como combustível, a William Arjona terá tarifa maior do que usinas a óleo diesel, geralmente mais caras. A segunda térmica mais cara do Brasil, Xavantes, em Goiás, tem custo de produção de R$ 1.464 por MWh.

Em relação a térmicas movidas a gás natural, a diferença é ainda maior. Até o início das operações de William Arjona, a usina mais cara com esse combustível era Araucária, no Paraná, com R$ 1.138 mil por MWh.

A título de comparação, o custo da térmica William Arjona é três vezes superior ao já pressionado valor praticado hoje no mercado livre de energia e mais dez vezes o preço médio de contratação de energia eólica em leilões do governo entre 2005 e 2019, de R$ 152 por MWh.

Em discurso durante a cerimônia desta quarta o ministro de Minas e Energia disse que a reinauguração foi possível graças a esforço conjunto do governo e do Congresso, "que criaram o ambiente para que esse empreendimento pudesse voltar a operar nesse momento tão importante para o setor elétrico nacional".

A térmica William Arjona tem capacidade para gerar 191 MW, o equivalente a metade do consumo da capital do Mato Grosso do Sul. É operada pela Delta Energia, empresa que pertence ao grupo Engie.

O presidente da Delta, Luiz Fernando Viana, disse que a antecipação da retomada das operações é a contribuição da empresa para enfrentar a crise hídrica. "A usina vai contribuir para que o Brasil passe por essa crise sem necessidade de medias extremas", afirmou.

O governo vem buscando usinas sem contrato para reforçar o sistema elétrico até o fim do período seco, quando os reservatórios das hidrelétricas tendem a cair. Nesta segunda (26), o ONS abriu chamada interessados em participar do programa, com foco em usinas a biomassa.

Executivos do setor, porém, mostram preocupação com os efeitos da estratégia sobre a conta de luz, já que o custo dessas novas usinas será rateado por todos os consumidores de energia do país.

Para especialistas do Instituto Clima e Sociedade, a estratégia adotada até agora é "negacionista", ao tentar passar tranquilidade à população enquanto se busca soluções mais caras para tentar resolver o problema.

Em mesa redonda com jornalistas nesta terça (27), o instituto defendeu um esforço para incentivar a população a economizar energia, reduzindo o custo de gestão da crise e o risco de que a escassez de água se mantenha em 2022.

Em entrevista após a reinauguração da usina nesta quarta o ministro voltou a defender que a situação está sob controle. "Isso não é motivo de preocupação para a sociedade", disse, segundo vídeo divulgado pelo MME.

"Não vai faltar energia. Estamos adotando medidas nesse sentido desde o ano passado quando observamos que as afluências das principais bacias hidrográficas estavam muito baixas", afirmou, reforçando estratégia de buscar "todos os recursos que temos dentro do sistema instalado no Brasil".

O primeiro programa voltado à demanda está sendo finalizado e será apresentado nas próximas semanas, segundo o MME. O programa, porém, tem foco apenas na indústria e na garantia de suprimento nos horários de maior consumo, com o deslocamento da produção para períodos de demanda mais baixa.

Veja também

Petróleo fecha em queda após forte recuperação por tomada de benefícios
Petróleo

Petróleo fecha em queda após forte recuperação por tomada de benefícios

Tesouro é contra créditos extras para renovar auxílio emergencial
Economia

Tesouro é contra créditos extras para renovar auxílio emergencial