Contrato da Hemobrás deve ser prorrogado

A Justiça Federal determinou, sob pena de multa diária de R$ 100 mil, que o Ministério da Saúde prorrogue o contrato administrativo firmado junto à Hemobrás

HemobrásHemobrás - Foto: Marina Mahmood/Arquivo Folha

A Justiça Federal determinou, sob pena de multa diária de R$ 100 mil, que o Ministério da Saúde prorrogue o contrato administrativo firmado junto à Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) para aquisição anual do Fator VIII recombinante e pó liófilo injetável. A sentença atende pedido feito em ação civil pública ajuizada em outubro do ano passado pela Procuradoria da República em Pernambuco com intuito de assegurar o abastecimento do estoque deste ano dos medicamentos usados por pacientes com hemofilia de todo o Brasil.

Leia também:
Hemobrás pode perder plasma em estoque
Temer anuncia investimento de R$ 642,6 mi para retomada das obras da fábrica da Hemobrás


Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que está cumprindo a Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) entre a Hemobrás e a Shire, retomada em setembro de 2017 e que as novas etapas de transferência de tecnologia estão em análise pelos Comitês de Avaliação e Deliberativo do GECIS (Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde). “Em outubro de 2017, a pasta já havia solicitado 150 milhões de UI (Unidades Internacionais) de Fator VIII Recombinante da Hemobrás/Shire por meio de aditivo de contrato. Em março deste ano, já foi adquirido por meio da PDP o quantitativo de 385.000.000 UI de Fator VII Recombinante, que abastecerá o país durante o ano de 2018”, afirma o comunicado.

Procurada pela reportagem, a Hemobrás preferiu não se pronunciar sobre a determinação judicial.

Veja também

Equipe de Guedes quer novo programa social dentro do teto de gastos
Economia

Equipe de Guedes quer novo programa social dentro do teto de gastos

Guedes diz que auxílio emergencial pode voltar se vacinação fracassar, mas exigirá sacrifícios
Extensão do auxílio

Guedes diz que auxílio emergencial pode voltar se vacinação fracassar, mas exigirá sacrifícios