Gás Natural

Copergás lança chamada pública para compra de gás natural

Expectativa é de que as propostas sejam mais competitivas em relação à atual supridora, a Petrobrás

Fabrício Bomtempo, diretor técnico comercial da Copergás, acredita que o preço do gás poderá reduzir com a chamada públicaFabrício Bomtempo, diretor técnico comercial da Copergás, acredita que o preço do gás poderá reduzir com a chamada pública - Foto: Divulgação/Assessoria

A Companhia Pernambucana de Gás (Copergás) publicou nesta quinta-feira (17) edital de chamada pública para aquisição de gás natural. Segundo a companhia, a ação visa diversificar os fornecedores do combustível, em busca de preços mais competitivos. A chamada pública aceitará gás natural, independentemente de sua origem – nacional ou importada através do GNL (Gás Natural Liquefeito) – em dois lotes alternativos de contratação. As ofertas poderão ser realizadas até o dia 7 de outubro.

A decisão de abrir a chamada pública neste momento aconteceu por dois fatores, como explica o diretor técnico comercial da Copergás, Fabrício Bomtempo: “Nossos contratos com a atual supridora estão sendo reduzidos a partir de janeiro de 2022. Como já estamos caminhando para isso, precisamos ter um fornecedor capaz de suprir a demanda, além de ser preciso preparar nossa infraestrutura. A outra razão é a abertura do setor. Recentemente um Projeto de Lei que garante o acesso à infraestrutura foi aprovado no Congresso, criando melhores condições para competição”, analisou.  

O primeiro lote será distribuído em duas etapas: 750 mil m³/dia em 2022 e 1.000 mil m³/dia em 2023. Esses volumes serão entregues nas Estações de Transferência de Custódia – ETC, localizadas nos municípios de Abreu e Lima, Cabo de Santo Agostinho, Goiana, Igarassu, Ipojuca, Jaboatão dos Guararapes e São Lourenço da Mata.

O segundo lote vai abastecer a ETC localizada no município de Ipojuca por 5 anos, a partir de 2022. A etapa prevê um consumo médio de 500 mil m³/dia de gás natural no primeiro ano e 750 mil m³/dia nos demais.

Para o consumidor, a tendência é que, com a companhia conseguindo melhores condições no negócio, o preço seja reduzido. “Além do preço, que é o principal ponto, podemos destacar também a confiabilidade. Como Pernambuco não produz gás, ele chega até os pernambucanos por outros estados, sendo o único meio. Quando a gente tiver uma segunda fonte, irá diversificar e criar mais confiabilidade ao sistema. Outro efeito positivo é a interiorização do gás. A gente conseguirá atingir áreas do interior do estado que hoje não são viáveis”, afirmou Fabrício Bomtempo.

Além da Copergás, as distribuidoras de Alagoas (Algás), Ceará (Cegás), Rio Grande do Norte (Potigás) e de Sergipe (Sergas) também lançarão chamadas públicas. Para o diretor-presidente da Copergás, André Campos, a chamada pública é uma oportunidade para a companhia ampliar sua competitividade econômica. “O nosso setor está passando por transformações e a Copergás tem todas as condições de estar em sintonia com esse novo mercado, sempre com a preocupação de oferecer o melhor produto disponível, com a prestação de um serviço de qualidade aos nossos clientes, em todos os setores atendidos pela companhia”, destacou. 

Veja também

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas
economia

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia
economia

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia