ECONOMIA

Copom eleva Selic em 1,5 ponto percentual, a 9,25%, diante da inflação persistente

Taxa Selic Taxa Selic  - Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB) anunciou nesta quarta-feira (8) uma nova alta da Selic, sua taxa de juros de referência, de 1,5 ponto percentual, para 9,25%, diante da inflação "elevada" e apesar da recessão econômica no país.

O aumento da Selic, em linha com as expectativas do mercado, é o sétimo consecutivo no ano e o segundo desta magnitude depois da alta de outubro.

Assim, a taxa de referência situou-se em um nível que não registrava desde meados de 2017.

"A inflação ao consumidor continua elevada. A alta dos preços foi acima do esperado, tanto nos componentes mais voláteis como também nos itens associados à inflação subjacente", isto é, sem considerar os componentes de maior variação, informou o Copom em um comunicado divulgado ao final de sua reunião de dois dias.

O comitê ponderou, ainda, um ambiente externo "menos favorável", com uma inflação persistente e "a possibilidade de uma nova onda da covid-19" após o aparecimento da variante ômicron, que aumenta as incertezas sobre a recuperação das principais economias do mundo.

O aumento tinha sido previsto pelo Copom em sua reunião do fim de outubro, quando também elevou a Selic em 1,5 ponto percentual, o maior salto da taxa de referência desde dezembro de 2002.

Um amplo consenso no mercado antecipava a decisão, segundo consulta entre mais de uma centena de instituições econômicas, realizada pelo jornal econômico Valor.

O BCB iniciou o ciclo de altas em março, quando elevou pela primeira vez na taxa de juros depois de mantê-la em um mínimo histórico de 2% durante um semestre para promover a recuperação da economia, impactada pela pandemia.

Mas a inflação descontrolada acelerou o ritmo de aumentos da taxa de referência. Em 12 meses até outubro, o índice de preços ao consumidor subiu 10,67%. Desde janeiro, a alta foi de 8,24%.

As cifras estão muito longe da meta atual, estabelecida pela autoridade monetária em 3,75%, e de seu teto, de 5,25%.

As estimativas para a inflação ao final deste ano estão acima dos 10% no boletim Focus do Banco Central.

Veja também

Medida Provisória abre novo crédito extraordinário de R$ 1,253 bilhão para ações no RS
RIO GRANDE DO SUL

Medida Provisória abre novo crédito extraordinário de R$ 1,253 bilhão para ações no RS

Ministério da Agricultura confirma foco de doença de Newcastle em frangos no Rio Grande do Sul
BRASIL

Ministério da Agricultura confirma foco de doença de Newcastle em frangos no Rio Grande do Sul

Newsletter