Coreia do Sul e países da América Central assinam tratado de livre comércio

Segundo Seul, vai dar um impulso para 'uma associação estratégica mais ampla'

AssinaturaAssinatura - Foto: Pixabay

A Coreia do Sul assinou nesta quarta-feira (21) um tratado de livre-comércio com cinco países da América Central, que, segundo Seul, vai dar um impulso para "uma associação estratégica mais ampla".  O ministro coreano de Comércio, Kim Hyun-chong, assinou o tratado na presença de seus equivalentes da Costa Rica e Nicarágua, Alexander Mora e Orlando Solórzano, o ministro salvadorenho de Economia, Tharsis Salomón López, o ministro de Desenvolvimento Econômico de Honduras, Arnaldo Castillo, e a vice-ministra de Negociações Comerciais Internacionais de Panamá, Diana Salazar.

"O TLC vai dar um impulso para que a Coreia do Sul e os países centro-americanos criem uma associação estratégica mais ampla", disse Kim após a assinatura. A Coreia do Sul tem uma economia muito dependente do comércio internacional, e o acordo com a América Central vai ajudar sua indústria a exportar mais bens, como automóveis, ferro e aço, eletrodomésticos e têxteis, disse o ministro de Comércio em nota.

Leia também:
Coreia do Norte pede que Seul abandone manobras com EUA
Coreia do Sul aproveitará Jogos de PyeongChang para mostrar tecnologia e cultura


O tratado, que entrará em vigor quando for refreado em cada um dos países signatários, também dará à Coreia do Sul, 11ª economia mundial, uma "terceira via" aos Estados Unidos, num momento em que Washington se orienta para o protecionismo.  De acordo com Kim, os chefes de comércio dos membros do Sistema de Integração Centro-Americana (SICA) e da Coreia do Sul assinaram um TLC que exige a eliminação das tarifas de importação em mais de 95% dos produtos, apontou a agência sul-coreana Yonhap.

A Coreia do Sul e os Estados Unidos têm seu próprio acordo de livre-comércio, conhecido como KORUS, concluído em 2012, mas começaram a dialogar para renegociá-lo, a pedido de Washington. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, condenou repetidamente o pacto como um "acordo horrível" e um "desastre" e os dois países aliados estão presos nas discordâncias sobre tarifas para o aço, as máquinas de lavar e outros bens, impostas por Washington nas últimas semanas.

No ano passado, a Coreia do Sul registrou um superávit comercial de cerca de 1,9 bilhão de dólares em seus intercâmbios com esses cinco países centro-americanos, segundo dados do órgão comercial sul-coreano KITA. As exportações foram de 2,2 bilhões de dólares e as importações de 333 milhões.  O acordo, cujas negociações se iniciaram em junho de 2015, compreende 21 capítulos relacionais ao acesso a mercados, regras de origem, facilitação de comércio, defesa comercial, investimentos, entre outros.

O tratado "é um acordo que é exemplo de como se pode alcançar um equilíbrio adequado entre abrir novas oportunidades de mercado aos produtos e, ao mesmo tempo, atender às sensibilidades dos setores produtivos", afirma na segunda-feira o Ministério de Economia salvadorenho. A Guatemala será o único país da região que ficará de fora da assinatura do acordo comercial, porque ainda não concluiu uma negociação comercial com os sul-coreanos.

Veja também

Investimento estrangeiro direto caiu pela metade no Brasil, diz Unctad
Economia

Investimento estrangeiro direto caiu pela metade no Brasil, diz Unctad

Petrobras vai poder pagar dividendos mesmo em caso de prejuízo
Economia

Petrobras vai poder pagar dividendos mesmo em caso de prejuízo