Coronavírus pode reduzir em até 1,2 bilhão fluxo de passageiros em linhas aéreas

Organização Internacional de Aviação Civil (OIAC) afirma que a pandemia pode causar redução drástica no número de passageiros

Aeroportos estão vazios ao redor do mundoAeroportos estão vazios ao redor do mundo - Foto: Rob Carr / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP

A pandemia de coronavírus pode significar uma redução de 1,2 bilhão de passageiros para as companhias aéreas em todo o planeta até setembro, informou nesta quarta-feira a Organização Internacional de Aviação Civil (OIAC).

Se espera que uma "redução mais substancial no número de passageiros (...) se produza na Europa, especialmente durante a alta temporada de viagens de verão, seguida da (região) Ásia-Pacífico", adverte a agência da ONU.

Leia também:
Governo vai disponibilizar R$ 5 bi para setor de turismo
Turismo no Brasil deve ter queda de 38,9% nos ganhos, aponta FGV
Governo costura socorro de R$ 48 bi a empresas aéreas e de energia e a varejistas

A capacidade das companhias aéreas também pode se ver reduzida significativamente, com a consequente queda do faturamento nos primeiros nove meses do ano em entre 160 bilhões e 253 bilhões de dólares.

As projeções são mais negativas que as estimativas iniciais da OIAC de fevereiro passado, quando a covid-19 parecia restrita à China. Naquela ocasião, a OIAC previu uma queda no faturamento de entre 4 e 5 bilhões de dólares.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

'Devo, não nego; pagarei assim que puder', diz Guedes sobre precatórios
Economia

'Devo, não nego; pagarei assim que puder', diz Guedes sobre precatórios

Classic Hall recebe feira de moda e beleza em novembro
Economia

Classic Hall recebe feira de moda e beleza em novembro