Correios fazem plano de demissão para economizar até R$ 1 bi por ano

Entretanto, a 'economia' na folha ainda seria insuficiente para acabar com o prejuízo na estatal

Humberto Costa (PT) em visita ao Agreste de PernambucoHumberto Costa (PT) em visita ao Agreste de Pernambuco - Foto: Ascom/Humberto Costa

O presidente dos Correios, Guilherme Campos, anunciou nesta quinta-feira (10) que até dezembro deverá iniciar um plano de demissão em que espera ter a adesão de 8.000 trabalhadores da estatal.

Segundo Campos, a economia com os cortes será de entre R$ 800 milhões e R$ 1 bilhão por ano com a folha salarial, que representa dois terços dos custos.

A economia na folha ainda seria insuficiente para acabar com o prejuízo e, segundo ele, serão necessários outros cortes, principalmente em comissões pagas a quem trabalha em cargos administrativos.

De acordo com o presidente, o plano deve custar até R$ 2 bilhões para a empresa que pretende pagar salários por 10 anos para quem aderir, considerando a média salarial do servidor e o tempo de serviço na empresa. A adesão deverá ocorrer até abril de 2017.

Ele afirma que a empresa está em situação grave, com prejuízo acumulado por dois anos e previsão de novo deficit em 2016 de R$ 2 bilhões para uma receita estimada em R$ 20 bilhões.

Além disso, está perdendo mercado no mercado de encomendas, sua principal receita. Por isso, o plano, que ele chamou de "bom" para os funcionários, precisa ser executado para evitar "medidas mais graves", como a demissão direta.

"Hoje não dependemos dos nossos controladores e somos uma estatal dependente. Sem isso, vamos ser uma estatal dependente o que muda completamente", afirmou Campos.

Os Correios têm hoje 117 mil funcionários. Os elegíveis para aderir ao plano, funcionários com mais de 55 anos e com tempo para aposentadoria, são em geral da área administrativa, onde a estatal quer fazer a maior parte dos seus cortes.

Também está em negociação, com 36 sindicatos e duas federações de trabalhadores, a redução dos custos com o plano de saúde dos servidores que foi de R$ 1,6 bilhão ao ano.

"O controlador paga 93% dos custos. Temos mais de 400 mil vidas no plano. É uma trajetória insustentável", afirmou Campos.

Cenário

Campos afirmou que a empresa precisa se preparar para um novo cenário em que a parte que tem como monopólio, a entrega de cartas, vai cada vez mais diminuir; e vai crescer a área em que ela tem que concorrer: o serviço de entrega de encomendas.

Para evitar a perda de mais clientes no setor de cartas, Campos afirmou que a empresa analisa se vai ou não aumentar as tarifas do setor que estavam defasadas em relação à inflação pela falta de correção nos governos anteriores.

Nas encomendas, os Correios perderam mercado nos últimos anos, reduzindo sua participação no setor de mais de 50% para menos de 40%. Segundo ele, a empresa tem a marca de referência, o Sedex.

O presidente também afirmou que estão em fase final de solução para a contratação do serviço de aviação para a empresa, que foi contestado pelo Tribunal de Contas recentemente. Além disso, a empresa lançará ainda este ano um serviço de telefonia com a venda de chips para celulares.

O presidente afirmou ainda que o leilão para encontrar um banco parceiro para o chamado Banco Postal, que se encerra nesta sexta-feira (11), seja bem sucedido, mesmo com alguns grandes bancos do país afirmando que não vão fazer proposta. "Quem desdenha quer comprar", disse Campos.

Veja também

Governo Federal anuncia nova fase do Pronampe
Crédito

Governo Federal anuncia nova fase do Pronampe

App de transporte brasileiro, 'Garupa' passa a atuar em Petrolina a partir deste mês
Mobilidade

App de transporte brasileiro, 'Garupa' passa a atuar em Petrolina