Economia

Covid-19: setor aéreo mundial tem panorama turbulento

Redução drástica de voos em todo o mundo levaram empresas a uma situação crítica, com demissões em massa

AviãoAvião - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Demissões, falências e planos de resgate. A pandemia do novo coronavírus atingiu severamente o setor aéreo, que tem seus aviões cravados no chão.

O anúncio feito pela companhia aérea britânica EasyJet, nesta quinta-feira (28), informando que reduzirá sua equipe em até 30%, é o mais recente de uma longa lista de más notícias.

A Associação de Transporte Aéreo Internacional (IATA, na sigla em inglês) estima que o impacto da pandemia no volume de negócios das companhias aéreas em 2020 será de US$ 314 bilhões, o que representa uma redução de 55% em relação a 2019.

Longa lista de recuperação judicial
A LATAM, maior companhia aérea da América Latina, declarou-se em quebra em 26 de maio. A companhia, que tem 42 mil funcionários, pediu apoio à lei de recuperação judicial dos Estados Unidos, o que permite que uma empresa sem condições de pagar suas dívidas possa se reestruturar sem a pressão dos credores. Duas semanas antes, a Avianca, segunda companhia aérea da América Latina, recorreu à mesma lei.

A Virgin Australia se declarou inadimplente em 21 de abril, depois que o governo australiano recusou o empréstimo de 1,4 bilhão de dólares australianos para que a empresa se mantivesse em funcionamento.

A espanhola Iberia anunciou nesta quinta que irá retomar em 1º de julho 20% dos seus voos domésticos e de média distância, após manter seus aviões parados devido à pandemia.

O novo coronavírus também afetou as companhias aéreas sul-africanas South African Airways (SAA) e Comair, a britânica Flybe e quatro filiais da Norwegian Air Shuttle na Suécia e na Dinamarca.

Leia também:
Latam Brasil tem dificuldades de negociar contrato e pode perder aviões
Recuperação judicial da Latam nos EUA deve servir de alerta a governos, diz associação
Boeing desiste de comprar área de aviação comercial da Embraer


Cascata de demissões
A Air Canada demitirá mais da metade de sua equipe (pelo menos 19 mil pessoas), a British Airways prevê 12 mil cortes de vagas (30% de seu efetivo), a americana Delta Air Lines espera 10 mil demissões voluntárias (11%), a escandinava SAS, 5 mil (40%), e a britânica EasyJet, 4.500 (30%).

A americana United Airlines também anunciou cortes (3.450 empregos), assim como a britânica Virgin Atlantic (3.150), as irlandesas Ryanair (3.000) e Aer Lingus (900), a Icelandair (2.000), a Brussels Airlines (1.000), a húngara Wizz Air (1.000) e Fiji Airways (758).

A Kuwait Airways anunciou nesta quinta a demissão de 1,5 mil funcionários expatriados, ou 25% de seus trabalhadores estrangeiros, devido a "dificuldades importantes" acarretadas pela pandemia.

A American Airlines cortará 30% de sua equipe administrativa e prevê também uma redução no número de pilotos e tripulantes, de acordo com um documento interno acessado pela AFP nesta quinta-feira.

Já a construtora americana Boeing anunciou o corte de 16 mil empregos, ou seja, 10% de sua força de trabalho na aviação civil, enquanto a fabricante de motores americana General Electric e sua concorrente britânica Rolls-Royce eliminaram 12.600 e 9 mil empregos, respectivamente.

Recursos públicos

O governo alemão e a Lufthansa elaboraram em 25 de maio um pacote de resgate de 9 bilhões de euros, no qual o estado se tornaria o maior acionista da empresa. Na quarta-feira (27), porém, a companhia considerou que as concessões exigidas em troca, por parte da UE, são muito estritas e ainda não aprovou o acordo.

Também na Alemanha, a empresa de transporte Condor, filial do operador de turismo em quebra Thomas Cook, obteve empréstimos garantidos pelo estado no valor de 550 milhões de euros.

França e Holanda socorreram a Air France-KLM com um plano de entre 9 e 11 bilhões de euros. A maioria das principais companhias aéreas americanas recorreu a um programa de apoio ao emprego lançado em março pelos Estados Unidos, do qual US$ 50 bilhões são destinados à aviação civil.

A Itália optou, por sua vez, por nacionalizar a Alitalia. A Easyjet obteve um empréstimo público de 600 milhões de libras (675 milhões de euros), e a Suíça garantiu 1,2 bilhão de euros em empréstimos à Swiss e à Edelweiss, duas filiais da Lufthansa.

A Air New Zealand obteve um empréstimo estatal de cerca de 900 milhões de dólares neozelandeses (479 milhões de euros). Dubai e Turquia anunciaram sem mais detalhes que apoiariam a Emirates e Turkish Airlines, respectivamente. Em meados de maio, a IATA estimou a quantidade de auxílio estatal às companhias aéreas em US$ 123 bilhões.

Veja também

Secretária de Energia dos EUA descarta importação de petróleo venezuelano
Economia

Secretária de Energia dos EUA descarta importação de petróleo venezuelano

Bolsonaro se reunirá con Elon Musk em São Paulo
Encontro

Bolsonaro se reunirá con Elon Musk em São Paulo