Credimóveis: 50 anos de sucesso

Com 40 lojas espalhadas no Estado, a Credimóveis Novolar segue se reinventando e rompendo as barreiras da crise que assola o País

Túlio Gadelha no café da manhã do Galo, no Forte das Cinco PontasTúlio Gadelha no café da manhã do Galo, no Forte das Cinco Pontas - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

 

Em 1966, os feirantes Jomá Soares, Grinaldo Leão e Antonio Gringo, decidiram trocar a venda de arroz, feijão e charque pelo maior desafio de suas vidas - atuar no ramo de móveis e eletrodomésticos. Juntos, fundaram, na cidade do Cabo de Santo Agostinho, a primeira unidade da Credimóveis Novolar, uma rede genuinamente pernambucana.
Hoje a rede é comandada por Jomá Soares e Luzinete Leão, viúva de Grinaldo, junto com os seus filhos.

“Somos parte da 2ª geração da empresa. Administramos com o mesmo entusiasmo e compromisso dos nossos pais” garante Paulo Cézar Soares, responsável pela direção comercial da empresa. Já Sr. Jomá, como é conhecido o fundador da empresa, no alto dos seus quase 80 anos, não abre mão do trabalho diário. “Meu pai faz questão de estar todos os dias aqui no escritório cumprindo expediente das 9h às 16h”, revela Paulo Cézar. Para Sr. Jomá, a rotina é importante e o faz feliz. “O que eu vou fazer em casa? Tenho mais que vir trabalhar”, comenta.

Com 50 anos de história e 40 lojas espalhadas por todo o Estado, a Credimóveis Novolar segue se reinventando e rompendo as barreiras da crise que assola o País. “Apesar de todas as adversidades do momento atual, conseguimos crescer ao longo dessas cinco décadas porque trabalhamos pensando no cliente”, comenta o diretor comercial.

Ele reitera a parceria de respeito, credibilidade e confiança construída com os clientes da rede ao longo da existência da marca. “Nosso compromisso maior é com o cliente. Diferente de outras lojas do setor, nós somos uma empresa comprometida com uma pronta-entrega eficaz, com atendimento de excelência e preços competitivos. Na Credimóveis, cada real que conseguimos do fornecedor, repassamos como desconto no preço final para o cliente”, revela Paulo Cézar Soares.

Superação
Como todas as empresas do ramo de varejo, a Credimóveis foi afetada pela crise econômica. A rede fechou dez lojas, entre elas, as unidades da Paraíba e de Alagoas, e trabalha com a perspectiva de encerrar 2016 com queda no faturamento de 28%, na comparação com 2015. Apesar disso, do alto dos seus 50 anos de experiência, a expectativa da rede para 2017 é otimista.

“Estamos trabalhando dentro da nova realidade de consumo da população. Ou seja, se o ticket médio dos nossos clientes caiu, nós adequamos as nossas ofertas para esse contexto. É dessa forma que pretendemos dar continuidade a essa trajetória de sucesso construída pelos nossos pais”, revela Soares.

Ele completa dizendo que durante todo esse tempo de atuação no mercado, apesar de já terem passado por diversos planos econômicos e recessões, nada se iguala a esta crise. “Acreditamos que com muito trabalho iremos conseguir nos reerguer e retomar o ritmo do crescimento. Para tanto, já em 2017, a nossa meta é começar abrindo duas novas unidades. Uma em Casa Amarela e outra em Gravatá”, adianta Paulo Cézar Soares, com a firmeza de quem acredita no trabalho e na superação.

 

Veja também

Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%
Inflação

Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%

Confiança do comércio recua 3,8 pontos em outubro, diz FGV
Economia

Confiança do comércio recua 3,8 pontos em outubro, diz FGV