Crédito para compra de imóvel cai 7,4% em 2017

Em 2017, as concessões de empréstimos pelo chamado SBPE, financiados com recursos da poupança, somaram R$ 43,1 bilhões, contra R$ 46,6 bilhões em 2016

Trinta associações e sindicatos patronais de construtoras e imobiliárias assinaram o manifesto Trinta associações e sindicatos patronais de construtoras e imobiliárias assinaram o manifesto  - Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

Depois de desabar 38,3% em 2016, o crédito para aquisição e construção de imóveis diminuiu o ritmo de queda e recuou 7,4% no ano passado, informou a Abecip (Associação das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), nesta terça-feira (30).

Em 2017, as concessões de empréstimos pelo chamado SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo), financiados com recursos da poupança, somaram R$ 43,1 bilhões, contra R$ 46,6 bilhões em 2016.

Entre janeiro e dezembro do ano passado, foram financiados 175,6 mil imóveis, 12,1% abaixo de 2016. No início de 2017, a Abecip chegou a estimar que o SBPE subiria 5%, mas as previsões foram mudando conforme a economia dava sinais mais lentos do que o esperado de uma retomada. No final do primeiro semestre, a expectativa já era de retração de 3,5%.

Leia também:
Construção civil fecha 2017 em queda, mas empresários iniciam ano com otimismo
Caixa eleva a 20% entrada para compra de imóvel novo


"Os números já refletem um impacto da dificuldades nos empréstimos da Caixa, que afetam o mercado como um todo", diz Gilberto Duarte de Abreu Filho, presidente da Abecip.

Apesar dos graves problemas de recursos que enfrenta, a Caixa Econômica Federal não perdeu a liderança no mercado de financiamento habitacional: as operações de crédito do banco para aquisição e construção somaram R$ 16,4 bilhões em 2017.

Novos X Usados

O financiamento de imóveis usados apresentou uma reação e o número cresceu 13,2%, enquanto o crédito para novas unidades caiu 17%. "A queda dos novos traduz o ritmo dos lançamentos. Já o segmento dos usados vemos como um indicador antecedente do mercado, ou seja, mostra que as pessoas estão dispostas a adquirir um imóvel", afirma Abreu Filho.


Já para o financiamento à pessoa jurídica foram liberados R$ 9,2 bilhões em 2017, queda de 13,8% ante 2016, com o setor da construção demonstrando dificuldade de reagir. De janeiro a setembro, sua produção acumulava queda de 6,1%, de acordo com o IBGE, e dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) mostram que, no ano passado, a construção fechou 103,9 mil vagas formais.

FGTS
Os empréstimos com recursos do FGTS, voltados basicamente para habitação popular, seguraram o mercado nos últimos anos, mas, em 2017, o crédito para essa modalidade caiu 15,5%.

Para Abreu Filho, os R$ 58 bilhões em operações registrados no ano passado, ante R$ 68 bilhões em 2016, mostram "um patamar mais próximo do sustentável para esse segmento."

2018
Para este ano, a Abecip estima que as concessões pelo SBPE devem chegar a R$ 48 bilhões, alta de 10% ante 2017, em um cenário de inflação controlada e juros baixos, explicou Abreu Filho.

O SBPE, que financia unidades com perfil mais de classe média, ganha fôlego com os cortes na Selic, a taxa básica de juros do país -o Copom (Comitê de Política Monetária) se reúne nesta quarta (31) e a expectativa do Boletim Focus é que haja novo corte de 0,25 ponto percentual, para 6,75% ao ano.

Juros altos tornavam menos atrativo o investimento em poupança, que teve mais resgates do que depósitos em 2015 e 2016. Em 2017, a poupança patinou ao longo do ano, mas conseguiu fechar no azul com captação líquida de R$ 17,13 bilhões, maior saldo positivo desde 2014.

Veja também

Receita Federal estima que metade dos fundos imobiliários sonegam impostos
receita federal

Receita Federal estima que metade dos fundos imobiliários sonegam impostos

INSS prorroga antecipação de R$ 1.045 do auxílio-doença e do BPC
inss

INSS prorroga antecipação de R$ 1.045 do auxílio-doença e do BPC