Credores da construtora do grupo Odebrecht aceitam redução de 55% da dívida

O entendimento foi selado com um grupo que representa 40% dos detentores dos títulos no exterior emitidos pela companhia

OdebrechtOdebrecht - Foto: AFP

A OEC, braço de engenharia e construção do grupo Odebrecht, alcançou um acordo com boa parte dos credores para reduzir em 55% suas dívidas, que somam R$ 12 bilhões. A informação foi publicada pelo jornal Valor e confirmada pela reportagem.

O entendimento foi selado com um grupo que representa 40% dos detentores dos títulos no exterior emitidos pela companhia. A empresa ainda precisa angariar mais 20% dos credores para conseguir uma recuperação extrajudicial, mas o passo mais importante já foi dado.

A Odebrecht é assessorada no processo pelo escritório E. Munhoz Advogados e pela RK Partners, de Ricardo Knoepfelmacher. Já os credores são representados pelo banco Rothschild.

Leia também:
Lava Jato apura esquema entre Grupo Petrópolis e Odebrecht em contratos da Petrobras
Lula é absolvido em processo de contratos em Angola com Odebrecht
Consórcio de jornalistas detalha propina da Odebrecht em 5 países da América Latina 

A OEC vinha solicitando um corte de 70% da dívida, mas também era muito importante para a empresa fechar um acordo o mais rápido possível. O objetivo é eliminar o risco de execuções e voltar a conquistar novas obras.

Os credores, então, alegaram que não fechariam um acordo rapidamente nesse patamar e propuseram uma redução de apenas 20%. Após intensas discussões, o acordo foi selado em 55%.

Também houve bastante disputa sobre o período de carência do pagamento do restante da dívida. Ficou acertado que a construtora terá três anos para começar a pagar. Esse prazo é fundamental para a OEC aumente o seu fluxo de caixa, que foi severamente afetada desde o escândalo da Operação Lava Jato.

Os títulos de dívida internacional da Odebrecht foram emitidos por uma subsidiária internacional chamada OFL e aplicado na diversificação das atividades do grupo baiano em seu auge.

A questão se tornou um problema para a construtora, porque o débito é garantido pela OEC. Na época em que os títulos foram emitidos, a construtora era o coração do grupo e uma das maiores geradoras de caixa do grupo, junto com a petroquímica Braskem.

A OEC não é a única empresa do grupo Odebrecht a enfrentar dificuldades. A Atvos, braço de açúcar e álcool, já pediu recuperação judicial e deve apresentar seu plano aos credores nesta terça-feira (6). Com esse pleito, a empresa reconhece que não conseguia pagar seus débitos e pede uma trégua à Justiça.

No início de junho, a holding da Odebrecht, conhecido como ODB, e mais 20 empresas que fazem parte do grupo também optaram pela recuperação judicial. A dívida total desse processo é de R$ 98,5 bilhões. Procurada, a Odebrecht não se manifestou.

Veja também

Produtividade na indústria cai 2,5% no primeiro trimestre, diz CNI
Economia

Produtividade na indústria cai 2,5% no primeiro trimestre, diz CNI

Segundo semestre deve ser de 'retomada robusta' da economia com vacinação, diz BC
Economia

Segundo semestre deve ser de 'retomada robusta' da economia com vacinação, diz BC