Criptomoedas

Criptomoedas enfraquecem sanções econômicas de Washington

"Essas tecnologias oferecem a atores malévolos oportunidades de possuir e transferir fundos por fora do sistema financeiro tradicional, baseado no dólar", observou o Tesouro Americano

CriptomoedasCriptomoedas - Foto: Michael Wensch/Domínio Público

Leia também

• PIX tem 99% das transações liquidadas em 0,6 segundos, aponta relatório do BC

• Bancos estão preparados para enfrentar novos choques na economia, diz BC

• PIB fraco da China faz Bolsa cair e dólar sobe mesmo com intervenção do BC

Washington considera necessário modernizar seu sistema de sanções econômicas e financeiras, cuja eficácia é enfraquecida pelo desenvolvimento de criptoativos, indicou nesta segunda-feira o Tesouro americano.

"As sanções se mantêm como ferramenta política essencial e eficaz, mas também enfrentam novos desafios, em particular os riscos crescentes ligados a novos sistemas de pagamento, ao uso crescente de ativos digitais e aos hackers", pontuou o órgão.

As sanções do Tesouro visam a impedir que pessoas ou entidades estrangeiras acusadas, por exemplo, de ameaçar a segurança dos Estados Unidos, tenham acesso ao sistema bancário e financeiro americano. Mas "as inovações tecnológicas, como as moedas digitais, plataformas alternativas de pagamento e novas maneiras de ocultar transações internacionais reduzem potencialmente a eficácia das sanções americanas", detalha o Tesouro em seu relatório.

"Essas tecnologias oferecem a atores malévolos oportunidades de possuir e transferir fundos por fora do sistema financeiro tradicional, baseado no dólar", observou. “Estamos cientes do risco de que, se não controlados, esses ativos digitais e sistemas de pagamento possam afetar a eficácia de nossas sanções.”

Os Estados Unidos têm recorrido cada vez mais a sanções econômicas desde os ataques de 11 de setembro de 2001. O número delas se multiplicou por 10 em 20 anos, segundo o relatório, de 912 em 2000 para 9.421 em 2021.

Dessa forma, "o governo americano deve adaptar e modernizar a arquitetura operacional subjacente pela qual as sanções são implantadas", enfatiza o Tesouro, especificando que, "quando usadas de forma eficaz, as sanções têm a capacidade de interromper, impedir e prevenir ações que afetem a segurança nacional".

"As sanções são uma ferramenta fundamentalmente importante para o avanço de nossos interesses de segurança nacional", assinalou o vice-secretário do Tesouro, Wally Adeyemo. “Temos o compromisso de trabalhar com parceiros e aliados para modernizar e fortalecer essa ferramenta essencial”, acrescentou.

Adeyemo deve ser ouvido na manhã desta terça-feira pelo comitê bancário do Senado sobre esse tema.

Veja também

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz ministroECONOMIA

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz ministro

Carro parado é prejuízoFmotors

Carro parado é prejuízo