Crise do coronavírus já custa R$ 3,9 bilhões a operadoras de turismo

Perdas de 2020 equivalem a cerca de 25% do faturamento de 2019

Aeroporto Internacional do RecifeAeroporto Internacional do Recife - Foto: Guga Matos/Secretaria de Turismo e Lazer

O impacto das medidas adotadas para conter a pandemia do novo coronavírus nas operadoras de turismo brasileiras já soma R$ 3,9 bilhões em adiamentos e cancelamentos de viagens, que já passam de 90% até maio. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (14) pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), que pede a implementação rápida de políticas públicas de apoio ao setor turístico.

As operadoras de turismo são empresas que montam pacotes e programas de viagens que são comercializados pelas agências, e a perda contabilizada em 2020 já equivale a cerca de 25% de todo o faturamento das operadoras em 2019, que foi de R$ 15,1 bilhões.

Segundo o balanço, 90,4% dos embarques programados para março foram adiados ou cancelados. O percentual sobe para 96,2% se considerados os embarques de abril e abrange 94,2% das viagens marcadas para maio.

Leia também:
Governo vai anunciar linhas de crédito para empresários do Turismo afetados pela crise
Comércio já acumula perda de R$ 53,3 bilhões com a pandemia


Os adiamentos e cancelamentos já atingem 63,5% das viagens vendidas para junho, e, em média, 26,9% de todos os embarques programados para o segundo semestre de 2020. O impacto se estende até 2021, ano em que já há 3,8% de viagens adiadas ou canceladas.

Os cancelamentos de viagens afetaram 98% das operadoras ouvidas pela pesquisa, e 36% delas afirmam que o percentual de embarques cancelados passou de 75% do total previsto.

Um terço dos clientes que cancelaram as viagens já recebeu o reembolso à vista, 43% ainda estão no período de carência para reembolso, 11% optaram por carta de crédito e 10% serão pagos de forma parcelada ou negociada.

Sobre os adiamentos de viagens, três quartos das operadoras afirmam que eles superam 50% do total de embarques programados.

Vendas
Assim como as viagens já marcadas, as vendas de novos embarques foram severamente afetadas pela pandemia. Segundo a Braztoa, 45% das empresas do setor não realizaram nenhuma venda em março. Outras 45% atingiram, no máximo, o equivalente a 10% do movimento registrado em março de 2019.

Como 70% das vendas realizadas são para o segundo semestre de 2020, a associação prevê que a efetivação das viagens pode ser comprometida se a pandemia se estender, o que pode trazer mais adiamentos e cancelamentos.

Empregos
A pesquisa da Braztoa aponta que 10% dos trabalhadores das operadoras de turismo foram demitidos entre 29 de fevereiro e 31 de março. As demissões somam 642 pessoas, segundo a associação. O percentual de empresas que planeja demitir em abril chega a 45%, enquanto 55% declararam que não farão cortes.

O percentual de demissões previstas para este mês pode chegar a 75% do total de funcionários para 4% das operadoras de turismo que pretendem demitir, e ficar entre 50% e 75% dos trabalhadores para 15% dessas empresas.

As operadoras também responderam sobre as medidas que foram adotadas para evitar demissões: 78% promoveram reduções de carga horária e salário, 74% deram férias, 22% concederam licenças remuneradas e 20% suspenderam contratos de trabalho temporariamente.

Retomada
Metade das empresas do setor acredita que a retomada das vendas se dará ainda em 2020. Uma parcela de 12% aposta que a recuperação pode ocorrer até o mês de julho, e 36% vê o segundo semestre como momento de retomada.

Para 43% das operadoras, a comercialização de viagens voltará ao normal apenas em 2021. Uma parcela de 9% ainda não consegue prever uma retomada.

O balanço da associação aponta que a retomada prevista para o segundo semestre deve começar por viagens domésticas, que são mais acessíveis financeiramente e transmitem maior segurança aos viajantes.

Entre os maiores problemas para a recuperação das vendas após a pandemia, 75% das operadoras aponta a falta de demanda por problemas financeiros que serão causados por demissões e reduções de salários de trabalhadores de diversos setores. Para 66% das empresas, haverá falta de demanda por insegurança sanitária, e 41% das operadoras se preocupam ainda com a falta de recursos para realizar ações de marketing e promoções.

A pesquisa apontou também que 39% das empresas não têm clareza se ações adotadas pelo governo poderão beneficiá-las. Para 50%, as ações trarão benefício, mas apenas 22% disseram saber como utilizá-lo.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Caixa pode fazer novas antecipações de saques do auxílio emergencial
Pandemia

Caixa pode fazer novas antecipações de saques do auxílio emergencial

Conselho confirma general Silva e Luna na presidência da Petrobras
Direção

Conselho confirma general Silva e Luna na presidência da Petrobras