Economia

'Crise é causada pela pandemia, não pelo isolamento', diz Meirelles

Para ele, quarentena rígida leva a recuperação econômica mais veloz

Henrique Meirelles (MDB)Henrique Meirelles (MDB) - Foto: Agência Brasil

O secretário estadual da Fazenda e Planejamento de São Paulo, Henrique Meirelles, afirmou hoje (8) que a economia tem sido afetada pela própria pandemia do novo coronavírus, e não pela manutenção da quarentena.

“Existe um equívoco, que está permeando diversos setores de opinião e de poder do Brasil, de que o isolamento social ou a quarentena é que está causando a crise econômica. Não é. É o contrário. A crise é causada pela pandemia”, disse Meirelles. “O que afeta a economia é a pandemia, não as medidas para combater a pandemia”, acrescentou.

Para o ex-ministro da Fazenda, em pandemias anteriores, as regiões que adotaram a quarentena com mais rigor foram as que tiveram melhor e mais rápida recuperação econômica. “A quarentena tem, por finalidade, combater mais eficazmente a contaminação e, consequentemente, isso beneficia a economia", destacou.

Leia também:
Quarentenas ainda não foram suficientes para conter coronavírus no Brasil, indica estudo
Isolamento social cai para 46,2% em Pernambuco


"Experiências históricas mostram isso: em pandemias anteriores, cidades, regiões ou países que adotaram a quarentena com mais vigor foram os que se recuperaram mais rapidamente do ponto de vista econômico. Por isso temos de estender a quarentena da forma mais rigorosa possível”, afirmou o secretário. “É uma questão objetiva e econômica. Quanto mais rápido for controlada a evolução dos casos, mais rápido sairemos da crise e mais rápido vamos recuperar os empregos e a renda”, destacou.

De acordo com Meirelles, o setor mais afetado pela crise no estado, por exemplo, foi o de serviços domésticos que não contava com restrições para funcionar durante a qarentena. “Esse setor não foi objeto de nenhuma restrição. E, no entanto, foi o mais afetado pela crise. Por que? Pela preocupação das pessoas”, disse Meirelles.

Na lista de setores mais afetados estão as academias e salões de beleza, os setores ligados à economia criativa, comércio, construção civil, atividades relacionadas ao turismo, hotelaria, alugueis não imobiliários, alimentação [bares e restaurantes], atividades imobiliárias, transporte terrestre, transporte aéreo, educação e produção audiovisual.

"A atividade econômica começa a retornar depois que se passa o pico e a pandemia começa a dar sinais de que está controlada", disse Meirelles.

Quarentena estendida
Nesta sexta-feira (8), o governador de São Paulo, João Doria, anunciou que a quarentena no estado paulista será estendida até o dia 31 de maio. Esta é a terceira vez que o governador estende a quarentena, que teve início no dia 24 de março e estava prevista para ser encerrada no próximo domingo (10). Durante a quarentena, somente serviços considerados essenciais – como logística, segurança, abastecimento e saúde – podem funcionar.

No dia 22 de abril, Doria havia anunciado a possibilidade de retomar as atividades consideradas não essenciais a partir do dia 11 de maio, mas hoje ele voltou atrás e decidiu manter a quarentena, apesar da pressão do setor econômico e de alguns prefeitos do interior.

Segundo Doria, a medida precisou ser tomada novamente porque os casos de coronavírus estão crescendo muito, principalmente no interior. Também tem aumentado a ocupação de leitos, principalmente, de unidades de terapia intensiva (UTI) nos hospitais. Além disso, nos últimos 15 dias, a taxa de isolamento no estado paulista caiu, ficando abaixo dos 50%, valor considerado o mínimo necessário para desacelerar a propagação do coronavírus. “O pior cenário é o que alia mortes e recessão”, disse o governador.

“O medo é o pior conselheiro da economia. Prejudica o consumo, afugenta o investimento e ataca os empregos. A quarentena, felizmente, está salvando vidas em São Paulo e em outros estados brasileiros”, destacou Doria.

Plano São Paulo
Os requisitos da flexibilização da quarentena, segundo o governo paulista, que estão sendo estabelecidos no Plano SP, vão se basear em critérios técnicos que incluem, como fatores principais, a redução sustentada dos números de novos casos de covid-19 por 14 dias e a manutenção da ocupação dos leitos de UTI em um patamar inferior a 60%.

Conselho Municipalista
Doria anunciou nesta sexta (8) a criação do Conselho Municipalista que vai discutir as futuras decisões de flexibilização da quarentena e de retomada total da economia em São Paulo. O grupo será composto pelos 16 prefeitos de cidades sede de regiões administrativas do estado além do governador, do vice-governador, Rodrigo Garcia, e dos secretários José Henrique Germman (Saúde), Marco Vinholi (Desenvolvimento Regional), Patrícia Ellen (Desenvolvimento Econômico) e Henrique Meirelles (Fazenda e Planejamento).

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Associação que assiste doentes de fígado passa a receber doações pelo Imposto de Renda
Solidariedade

Associação que atende doentes de fígado recebe doações pelo IR

Aneel mantém bandeira tarifária verde para junho
Energia Elétrica

Aneel mantém bandeira tarifária verde para o mês de junho para todos os consumidores