Cruzeiros ainda tem 500 vagas de emprego

Os salários variam de US$ 600 a US$ 2 mil por mês, mas é preciso ter inglês fluente. As empresas também pedem passaporte válido, cursos de segurança específicos para navios e exames médicos.

Waldemar Borges foi eleito por unanimidade presidente da CCJWaldemar Borges foi eleito por unanimidade presidente da CCJ - Foto: Úrsula Freire/Folha de Pernambuco

 

Apesar da previsão de encolhimento, seja para viajar ou para trabalhar, ainda dá tempo de aproveitar a temporada de cruzeiros 2016/2017, diz o consultor na área fundador da Qualiti Consulte, empresa de consultoria com foco no atendimento ao cliente, Nailto Mendes. Para quem tem interesse em trabalhar, a boa notícia é que, para essa temporada, ainda estão disponíveis, pelo menos, 500 vagas . “Ainda é possível se candidatar para trabalhar a bordo dos cruzeiros. O ideal é se cadastrar diretamente no site das operadoras”, aconselhou.
Os salários variam de US$ 600 a US$ 2 mil por mês, mas é preciso ter inglês fluente. As empresas também pedem passaporte válido, cursos de segurança específicos para navios e exames médicos.
O setor de cruzeiros marítimos gerou, na temporada 2014/2015, 32.722 postos de trabalho em todo o Brasil. Em 2015, a indústria de cruzeiros empregou 891 mil pessoas e pagou US$ 38 bilhões em salários no mundo todo, de acordo com a Abremar.
Já para os viajantes, a dica é aproveitar as promoções. Há pacotes com ‘tudo incluído’, ou seja, todas as refeições e bebidas. A Abremar também destaca que os cruzeiros ainda trazem uma série de programações de lazer, que representam uma boa relação custo-benefício para os compradores. A associação aconselha procurar cruzeiros mais curtos, como forma de economizar. Eles costumam ter preços mais acessíveis.

 

Veja também

Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil
Moeda

Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil

Bolsonaro se irrita com homem que pediu para baixar preço do arroz
Arroz

Bolsonaro se irrita com homem que pediu para baixar preço do arroz