Customização gera renda para mulheres

O Projeto Top Três Reciclagem, formado por um grupo de mulheres de Olinda, transforma peças velhas e vira fonte de renda sustentável

Segundo Lígia Cabral, as integrantes do projeto querem agora formar uma cooperativaSegundo Lígia Cabral, as integrantes do projeto querem agora formar uma cooperativa - Foto: Gustavo Glória

Sabe aquele jeans velho que não está mais na moda, todo folgado e que iria para o lixo? Ele pode ter outro destino: ser doado para virar um novo produto. Através da customização, a peça pode ser transformada em almofadas, tiaras, bolsas, agendas, chaveiros e até mesmo em um novo modelo de jeans, mais moderno e com estilo mais atual. É com essa ideia que as mulheres do Projeto Top Três Reciclagem trabalham, incentivando a reutilização, com foco na sustentabilidade e na geração renda.

Leia também:
[Fotos] Por mais mulheres no universo digital
Especialistas dão dicas sobre antecipação do Imposto de Renda

O projeto surgiu através de uma reivindicação das moradoras de Olinda e das mães de crianças atendidas na creche da Associação Espírita Lar Transitório de Christie (AELTC), que resultou na criação do Top Três. Em 2017,conseguiram o apoio da Fundação Banco do Brasil, através do Programa Voluntariado BB-FBB, e receberam um financiamento de R$ 45 mil. O recurso foi utilizado na compra de material, maquinário e na capacitação em corte e costura para customização, estratégia de vendas e empreendedorismo para 36 mulheres adolescentes e adultas.

A ideia do programa é funcionar como um laboratório de aprendizagem e produção da customização. O espaço conta com máquinas apropriadas para a confecção dos acessórios, já que a costura do jeans precisa ser feita em equipamento industrial. Além disso, a educadora e artesã, Sandra Garrido, presidente da Associação dos Artesãos do Município de Itambé (PE), é responsável pela criação de produtos e orientação das participantes do Top Três. Assim, as empreendedores contam com o maquinário apropriado e com o treinamento para desenvolver o trabalho.

Segundo a coordenadora do programa, Lígia Cabral, a reciclagem do jeans permite a produção de diversos produtos. “Toda a matéria-prima para a confecção das peças vem da doação e pelo fato de desenvolvermos muitos produtos nossa possibilidade de negócios é maior. Mas também aproveitamos outros itens. Além do jeans, utilizamos garrafas pet, CDs, botões, camisas, entre tantos outros”, destacou Lígia. Muitas das mulheres atendidas pelo projeto não tinham o conhecimento da técnica de customização e nem como funcionava uma máquina de costura. “Agora, com o domínio da técnica, as mulheres querem ir muito além. È possível ver uma grande vontade de aprender, de se tornar uma profissional e ter fonte de renda. A maioria já defende a formalização de uma cooperativa para por em prática o que foi aprendido aqui no projeto. Nós formamos um projeto que busca ensinar para elas e fazer com que produzam aqui os seus produtos”, finalizou a coordenadora.

De todo material feito na sede do projeto e vendido pelas participantes, 15% do valor é destinado para o programa, como uma forma de contribuição pela utilização do espaço na confecção.

Algumas integrantes, atualmente já estão comercializando a sua produção, como é o caso de Francinete Pimentel, dona de casa que está há seis meses no projeto. “Aqui eu aprendi a fazer muita coisa. A costurar, a realizar sonhos. Tive a oportunidade de ampliar o meu conhecimento sobre o artesanato. È muito gratificante e satisfatório o que fazemos aqui”, destacou. “Eu já joguei muitos jeans fora, mas tive o privilégio de saber que podemos fazer diversas coisas, fazer a nossa arte, criar nossos produtos. É uma alegria muito grande. Tenho a oportunidade de deixar de ser dona de casa para trabalhar com o artesanato”, disse.

Para doações de roupas ao projeto, o interessado pode doar diretamente na sede, que fica na Rua José Vitorino Cabral Neto, A, antiga Rua 48 na quarta etapa de Rio Doce, em Olinda.

Veja também

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões
Economia

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões

CMN flexibiliza regras para crédito rural a pequenos produtores
Economia

CMN flexibiliza regras para crédito rural a pequenos produtores