Trabalho

Demissões começam a chegar no alto escalão das empresas

Trabalhadores de salários mais baixos, no entanto, têm sido os mais penalizados pelos efeitos do coronavírus

Carteira de TrabalhoCarteira de Trabalho - Foto: Divulgação

A fabricante de alimentos onde o gerente corporativo industrial Carlos Rogério Zacaro trabalhou por nove anos, em Ribeirão Preto (SP), teve sua produção fortemente afetada pela pandemia. Com produtos dependentes do mercado de atacado, comércio de rua e consumo de balcão –aquele doce que o consumidor pega no caixa, depois do almoço, no intervalo do trabalho–, a empresa viu sua demanda despencar em abril.

Como resultado, a companhia demitiu dezenas de trabalhadores da produção, principalmente em contratos temporários. "Houve um ajuste muito forte da mão de obra operacional, para nos adequarmos àquele momento de uma frenagem muito brusca na produção. Inclusive fui eu que fiz esse ajuste", conta o executivo, de 47 anos. "Depois, um pouco mais adiante, houve o meu desligamento."

A história de Zacaro é a de muitos trabalhadores de maiores salários nessa pandemia. A princípio pouco afetados pela primeira onda de demissões em decorrência da crise, esses trabalhadores agora também passam a ser impactados pelos cortes -embora ainda em menor proporção do que os trabalhadores de salários mais baixos, que têm sido os mais penalizados pelos efeitos do coronavírus sobre o mercado de trabalho.

O movimento de cortes entre os profissionais mais bem remunerados já é sentido por empresas de recolocação de executivos, mercado chamado de outplacement, na expressão em inglês. "Entre abril e maio, sentimos uma diminuição no volume de demissões, em função principalmente dos acordos de redução de jornadas e salários, que levaram as empresas a assumir o compromisso legal de não demitir", conta Rafael Souto, presidente da Produtive, especializada na recolocação de profissionais com salários acima de R$ 10 mil.

"Mas isso passou e percebemos a partir de junho um aumento expressivo das demissões", diz Souto, que registrou em junho e julho um crescimento de 20% na demanda pelos serviços de recolocação, na comparação com iguais meses de 2019.

Pelos tipos de contratos que têm sido realizados, Souto avalia que as demissões devem se estender pelo segundo semestre. "Várias empresas têm nos procurado para organizar programas de demissões para os próximos meses", afirma. "Isso aponta para um volume maior de desligamentos, o que mostra que o movimento de junho e julho não é isolado."

Entre os setores mais afetados, Souto cita indústrias de médio e grande porte, particularmente na cadeia automotiva, na indústria de base e de bens duráveis. Ele sente movimentação também no setor financeiro, no segmento de serviços de entretenimento e de educação.

"As empresas estão cortando em todos os níveis, o que é característico de downsizing [enxugamento visando redução de custos]", diz Souto. "Mas o volume maior de demissões acontece na média gestão -coordenadores, gerentes e gerentes seniores-, porque a alta gestão costuma ser mantida em momentos de crise."

A butique de recolocação de executivos Lens & Minarelli também sentiu um aumento da demanda por seus serviços a partir de julho. "O número de contratos solicitados vinha em ritmo normal até junho, agora dobrou a quantidade de contratos novos, o que sugere que tem havido mais demissões de executivos", conta José Augusto Minarelli, presidente da empresa.

Segundo ele, somente uma empresa de máquinas e equipamentos contratou a consultoria para auxiliar na demissão de 16 executivos. Uma estratégia que tem sido muito adotada pelas empresas, diz Minarelli, é o acúmulo de funções, com a consequente eliminação de cargos.

Eduardo Romão, de 45 anos, foi demitido após 18 anos na Caloi, como resultado de um processo desse tipo. Gerente nacional de vendas e trade marketing no grupo canadense Dorel Sports, dono da marca de bicicletas desde 2013, Romão foi desligado em março.

"Foi um choque muito grande, após 18 anos em uma empresa onde fiz carreira", conta Romão. "Quem assumiu minha posição foi outro gestor, da área de pós-venda, que incorporou o comercial e o trade."

O executivo conseguiu uma nova oportunidade no setor de bicicletas após pouco mais de dois meses, mas agora como gerente regional. Aceitar salários menores ou cargos mais baixos na hierarquia devem ser uma realidade para os funcionários de altos salários demitidos na pandemia, dizem os especialistas. Eles também enfrentam processos seletivos mais longos e competitivos, num momento em que algumas empresas retomam contratações.

"Na crise de 2015 e 2016, já vimos grande parte das empresas reduzirem suas faixas de remuneração", diz Lucas Oggiam, diretor do PageGroup, empresa especializada em recrutamento de executivos. "Agora, novamente, algumas empresas devem apertar o cinto em relação a salários muito extravagantes. O profissional que está se realocando precisa entender essa realidade das companhias, pois estão todas com custos apertados."

Grandes empresas como Santander, PwC, Embraer e Latam estão entre as corporações que têm realizado cortes de profissionais mais qualificados.

O banco espanhol reduziu seus quadros no Brasil em 844 funcionários entre o primeiro e o segundo trimestres, segundo balanço divulgado ao fim de julho. Já a empresa de auditoria não confirma o número de demissões no país, estimadas em 600 pelo site especializado Going Concern.

A fabricante de aviões propôs ao fim do mês passado seu segundo PDV (Plano de Demissão Voluntária) em um mês, após realizar mudanças também no topo do escalão, com a troca de quatro vice-presidentes e um diretor. Em recuperação judicial, a Latam, por sua vez, pretende demitir até 2.700 tripulantes, após uma tentativa fracassada de negociar com o sindicato da categoria uma redução permanente de salários.

Mesmo com o avanço das demissões entre trabalhadores mais bem remunerados, eles continuam a ser privilegiados, dentro do contexto geral do mercado de trabalho.

Segundo dados do Caged (cadastro de contratações e demissões de trabalhadores com carteira assinada mantido pelo Ministério da Economia) compilados para a Folha pela consultoria IDados apontam que foram fechadas 24 mil vagas entre março e junho para trabalhadores com remuneração entre R$ 5 mil e R$ 10 mil. Entre os profissionais com salários acima de R$ 10 mil, foram 12,6 mil vagas fechadas nos quatro meses de agravamento da pandemia no país.
Ainda não há dados para julho.
 


Os montantes representam respectivamente 2% e 1% do 1,5 milhão de empregos com carteira perdidos entre março e junho, em decorrência da pandemia. A participação na perda de empregos é inferior à parcela desses trabalhadores mais bem remunerados no estoque de vagas formais, que era respectivamente de 8% e 4% em junho.

Naquele mês, os trabalhadores com carteira assinada com salários entre R$ 5 mil e R$ 10 mil somavam 3 milhões, enquanto aqueles com salários acima de R$ 10 mil eram 1,6 milhão, de um estoque total de 37,8 milhões de empregos com carteira. Mas é preciso levar em conta que uma parcela dos trabalhadores mais bem remunerados não entra nas estatísticas do Caged, por trabalharem como PJs (pessoas jurídicas).

"Há no Brasil um problema grande de baixa qualificação da mão de obra. Não à toa, em momentos de crise, esses trabalhadores mais qualificados, que também são os de renda maior, são os que sofrem menos -têm menos chance de serem demitidos e na retomada são os primeiros a se recolocar", diz Bruno Ottoni, economista do IDados.

O analista lembra ainda que a maior parte desses trabalhadores ocupa posições formais, que geram maiores custos para os empregadores na hora de demitir, o que ajuda a explicar por que muitas empresas seguraram as demissões desses profissionais no início da crise.

Mario Custodio, diretor de recrutamento da Robert Half, avalia que o pior momento para as demissões foi entre março e abril, e que agora já há retomada das contratações por algumas empresas. Segundo ele, as áreas de tecnologia e comércio eletrônico estão entre as mais aquecidas na busca por profissionais.

Souto, da Produtive, cita ainda os setores logístico, de saúde, alimentos, agronegócio, empresas exportadoras e o setor farmacêutico, como segmentos que mostram crescimento na oferta de vagas para profissionais mais qualificados.

Veja também

Governo de Pernambuco abre seleção com 30 vagas e salários de até R$ 4,5 mil
Blog dos Concursos

Governo de Pernambuco abre seleção com 30 vagas e salários de até R$ 4,5 mil

Covid-19: pesquisa revela que 47,5% das pessoas temem viajar de avião
Coronavírus

Pesquisa revela que 47,5% das pessoas temem viajar de avião