Inflação

Depois de dois meses de deflação, preços sobem 0,26% em junho

O grupo com maior impacto na inflação foi o de alimentação e bebidas

Mercado FinanceiroMercado Financeiro - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Após dois meses com deflação, os preços voltaram a subir no Brasil em junho. A inflação teve alta de 0,26% no período, pressionada principalmente por combustíveis e alimentos. O dado foi divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (10).

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) é considerado indicador de inflação oficial do país.
No ano, os preços subiram 0,10% no ano. No acumulado de 12 meses, o índice é de 2,13%, abaixo do piso da meta estabelecida pelo governo para 2020 de 4%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Em maio, a deflação foi de 0,38%, menor resultado para o mês desde o início da série histórica, iniciada em 1980. Em abril, os preços caíram 0,31%. "Houve uma alta nos preços dos combustíveis que chegou nas bombas e impactou o consumidor final. Isso alterou o grupo de Transportes e influenciou no IPCA", detalha Pedro Kislanov, gerente da pesquisa.



Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, sete apresentaram alta no mês. Os preços dos combustíveis aumentaram 3,37% em junho, contra redução de 4,56% em maio. O grupo com maior impacto na inflação foi o de alimentação e bebidas, com alta de 0,38%. Segundo o IBGE, alimentos tiveram uma sequência de alta nos últimos meses, por conta do aumento da demanda durante a pandemia da Covid-19.

Veja também

Produção de veículos faz indústria crescer em junho, mas distante de rombo da pandemia
Veículos

Produção de veículos faz indústria crescer em junho, mas distante de rombo da pandemia

Expansão da rede de saneamento demanda R$ 498 bi em investimentos até 2033
Investimento

Expansão da rede de saneamento demanda R$ 498 bi em investimentos até 2033